Megatraficante brasileiro estuda literatura e é fã de criminosos internacionais

Anderson Lacerda está envolvido no roubo de obras do pintor espanhol, Pablo Picasso e é investigado, também, por fazer a ligação entre prefeituras e o PCC

  • Por Jovem Pan
  • 24/08/2020 06h28 - Atualizado em 24/08/2020 10h47
Tânia Rêgo/Agência BrasilO delegado Fernando Santiago diz que Gordão tenta imitar o colombiano também no modo como lida com quem o ameaça

Há oito mil quilômetros de distância, a pequena Guamuchilito, no México, parece não ter nenhuma relação com Santa Isabel, município de 55 mil habitantes na Grande São Paulo. Encravada no violento estado mexicano de Sinaloa, a localidade é a terra de Amado Carrillo Fuentes, ex-chefe do cartel de Juárez e um dos maiores traficantes de drogas da história. Morto em 1997 durante uma cirurgia para mudar a própria face, Fuentes era conhecido como “O Senhor dos Céus” por manter uma numerosa frota para transportar cocaína por toda a América.

A figura de Fuentes assusta, mas, ao mesmo tempo, inspira criminosos. É o caso de Anderson Lacerda Pereira, mais conhecido como Gordão, um dos principais traficantes aliados ao PCC em São Paulo. Alvo de seguidas ações da polícia, Gordão escolheu Santa Isabel como refúgio. No sítio dele, o nome na placa surpreendeu investigadores: Guamilichito, justamente o local de origem do ídolo mexicano. O que os policiais encontraram no local revelou outra inspiração: Pablo Escobar. Isso porque a chácara imitava a fazenda Nápoles, luxuoso esconderijo do mega traficante colombiano, onde Escobar mantinha um verdadeiro zoológico. Aves raras dividiam espaço com animais domésticos. Em um dos viveiros, outra surpresa: um jacaré, que deu trabalho para ser retirado e levado para um local.

O delegado Fernando Santiago diz que Gordão tenta imitar o colombiano também no modo como lida com quem o ameaça, assim como nos gostos por animais. “Uma das formas de imitar o seu maior ídolo seria construir um sítio que ele iria rechear de animais exóticos”, afirma. No sítio, foram encontradas uma mala com fuzis e várias munições. Segundo Fernando Santiago, Anderson Lacerda também está envolvido no roubo de obras do pintor espanhol, Pablo Picasso, em 2008. Ele é o responsável no PCC por enviar toneladas de cocaína para a máfia italiana Ndranguetta, na Europa, pelo porto de Santos. Ele é investigado, também, por fazer a ligação entre prefeituras e o PCC, o Primeiro Comando da Capital. Na semana passada, a Polícia descobriu que analgésicos da rede pública de saúde de Arujá foram desviados para a produção de cocaína pela quadrilha. Até o momento, Anderson Lacerda segue foragido.

*Com informações do repórter Leonardo Martins