Merkel diz a Johnson que acordo para Brexit é ‘improvável’

  • Por Jovem Pan
  • 09/10/2019 09h32
EFEChanceler alemã quer que Irlanda do Norte permaneça na união aduaneira

As negociações entre o Reino Unido e a União Europeia (UE) para um Brexit acordado ficaram ainda mais distantes nesta terça-feira (8), quando o governo do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, vazou para a imprensa local que Angela Merkel considera a chance de um acordo altamente improvável.

A chanceler alemã conversou por telefone com Johnson, e insistiu que a Irlanda do Norte permaneça na união aduaneira, para evitar problemas na fronteira com a República da Irlanda.

O problema é que o governo de Londres não parece disposto a aceitar essa medida, uma vez que ela colocaria em risco a própria existência do Reino Unido da Grã Bretanha: a lógica é que um dos quatro países que formam o território britânico não pode ter status diferente dos outros três.

Enquanto isso, a República da Irlanda parece que também já desistiu das negociações – o primeiro-ministro local afirmou que será muito difícil encontrar um acordo até a semana que vem, deixando o impasse ainda mais profundo.

Agora, os europeus já falam em prorrogar o Brexit, que deveria acontecer em 31 de outubro deste ano, até o meio de 2020. Johnson, no entanto, se recusa a pedir uma nova extensão e reafirma que a separação será entregue até o final deste mês, mas ninguém sabe como ele fará isso, uma vez que há uma lei impedindo o divórcio entre o país e o bloco sem acordo.

A UE têm criticado duramente as táticas de Johnson e a percepção geral é de que ele nunca tentou um acordo pra valer, fazendo apenas um grande jogo de cena para empurrar o Reino Unido para o Brexit sem acordo, jogando responsabilidade em Bruxelas. A tática parece pouco usual mas, na prática, combina muito com o estilo imprevisível do primeiro-ministro.

Também nesta terça-feira (8), o Parlamento britânico foi suspenso mais uma vez, agora por apenas cinco dias, até o discurso da rainha Elizabeth II, que acontecerá na próxima segunda-feira (14). Apesar disso, a volta parlamentar pode não durar muito – as eleições gerais parecem inevitáveis nas próximas semanas – resta decidir se elas vão ocorrer com o Reino Unido fora da UE ou com o país pedindo mais uma prorrogação neste processo interminável.

*Com informações do repórter Ulisses Neto