Método criado por advogada estima que 80% das pessoas mentem no currículo

Avaliando muitos candidatos competentes, com o perfil da vaga, Monica percebeu que muitos omitiam informações importantes no processo

  • Por Jovem Pan
  • 21/03/2021 12h59
Marcos Santos/USP ImagensA advogada conta que já conseguiu descobrir até que a pessoa tinha cometido um crime

A advogada e empresária Monica Benedetti criou um método para tentar mapear o caráter, a honestidade e a ética das pessoas para descobrir se elas mentiam na hora de montar um currículo. “Ele [o método] contém uma metodologia que pressupõe uma investigação de dados de currículo, para uma fase de entrevista onde a pessoa é submetida a dilemas éticos, e depois a fase de ferramentas, que consigo mapear os traços comuns entre pessoas desonestas”, explica. Formada em direito e atuando 11 anos na área jurídica em empresas de grande porte, Monica  fez uma transição de carreira em 2019 e trabalhou em uma das maiores indústrias de pesagem do país. A responsabilidade aumentou, e a gestora passou a se ocupar também do RH da empresa, ate então uma novidade para ela.

Avaliando muitos candidatos competentes, com o perfil da vaga, Monica percebeu que muitos mentiam e omitiam informações importantes no processo. A advogada conta que já conseguiu descobrir até que a pessoa tinha cometido um crime. “Como desvios de mercadorias para vendas em plataformas de marketplace, também teve casos de furtos de mercadorias, uma situação até flagramos. Colocamos uma câmera escondida e conseguimos flagrar.” Algumas das características comuns de pessoas desonestas são baixa empatia, egoísmo, perfil controlador e impulsividade.

A CEO da empresa de RH FS Gestão Carolina Ribeiro atua há 15 anos na área e relata um caso em que o candidato tinha o perfil da vaga, mas mentiu sobre atividades realizadas no último emprego. “Nessa análise pude verificar algumas mentiras, inclusive com o último projeto, que até então ele tinha participado, e tinha muito a ver com o projeto dessa vaga, e as informações eram incoerentes. E detectamos algumas mentiras em relação a cursos e certificações que ele disse que tinha feito”. De acordo com a criadora do método para avaliar o caráter das pessoas durante uma entrevista, 80% dos currículos possuem alguma informação mentirosa.

* Com informações do repórter Victor Moraes