Ministério da Saúde inicia campanha de imunização contra a gripe

Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ressaltou que, se a pessoa puder escolher, deve tomar a vacina contra a Covid-19 e só depois de 15 dias tomar a da influenza

  • Por Jovem Pan
  • 13/04/2021 10h31 - Atualizado em 13/04/2021 19h08
EVANDRO LEAL/ENQUADRAR/ESTADÃO CONTEÚDO - 12/04/2021 Campanha de vacinação contra gripe e contra a Covid-19 acontecem simultaneamente

O Ministério da Saúde iniciou na segunda-feira, 12, a campanha contra a influenza. A pasta espera vacinar mais de 80 milhões de pessoas. Com isso, a população terá duas campanhas simultâneas, uma vez que a vacinação contra a Covid-19 continua como prioritária. Para evitar choque de datas, as crianças e gestantes serão imunizadas primeiro contra a gripe e os idosos, que hoje estão tomando a vacina contra a Covid-19, ficaram para o final. Segundo o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, se a pessoa puder escolher, deve tomar a vacina contra a Covid-19 e só depois de 15 dias tomar a vacina da gripe.

O ministério da Saúde lembra da importância da vacinação contra a gripe, mesmo em tempos de coronavírus, uma vez que a doença também pode levar a complicações e internações. Por isso, a recomendação é buscar os postos de saúde, sem, no entanto, correria ou aglomerações. O governo federal investiu R$ 1,2 bilhão nas vacinas. Sendo que cada dose custou R$ 15. “Nós sabemos que apesar de não ter o mesmo impacto sobre a saúde, a gripe pode levar, nesses subgrupos, a Síndromes Respiratórias Aguda-Graves (SRAG). E esses indivíduos que tem SRAG também pressionam o nosso sistema de saúde”, disse Queiroga.

O ministro explicou ainda que o governo tem feito contato com diversos fornecedores de vacinas contra a Covid-19 para ampliar a velocidade de imunização aqui no Brasil, mas que tem enfrentado dificuldades, uma vez que praticamente todos os países do mundo buscam doses nesse momento. Agora para abril, o governo diz ter 30 milhões de doses garantidas, e ainda espera o envio das vacinas da Covax Facilty, que tem enfrentado problemas com registro. “Estamos nos esforçando. Várias possibilidades tem sido anunciadas na imprensa. Estamos tentando na diplomacia com os grandes países produtores de IFA para aumentar nossa capacidade de produção de vacinas e também buscar imunizantes prontos”, afirmou. Até por conta disso, o ministro da Saúde lembra da importância da população não perder o prazo para tomar a segunda dose da Covid-19. Vale lembrar que, no caso do coronavírus, Estados e municípios instalaram drive-thrus para a imunização. Já na vacina contra a gripe, a aplicação será nos postos de saúde.

*Com informações da repórter Luciana Verdolin