Mourão convida DiCaprio a fazer caminhada na Amazônia para ‘conhecer floresta’

Em uma rede social, o artista disse que o presidente Jair Bolsonaro duvidou publicamente da gravidades dos incêndios na floresta

  • Por Jovem Pan
  • 20/08/2020 07h39 - Atualizado em 20/08/2020 08h46
Francisco Stuckert/Estadão ConteúdoMourão disse que tem como maior angustia apresentar resultados a repeito da Amazônia, mas criticou o que chama de desinformação sobre a situação da região

Ações de combate as queimadas no Amazonas são intensificas pelo governo local. Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o fogo no estado bateu recordes pelo terceiro ano consecutivo. Em comparação com o mesmo período de 2019, a alta foi de 7%, com mais de sete mil focos de incêndio na floresta. Uma comitiva da secretaria de meio ambiente do Amazonas participou de uma operação perto de Apuí, no interior do estado. A representante da secretaria, Christina Fischer explica o procedimento e afirma que também é feito um trabalho com a população. “Além do trabalho de combate, também são feitas atividades locais, no sentindo da gente também trabalhar com a população visando as áreas em que você possa fazer a sua produção de maneira regularizada sem o uso do fogo”, explica.

O vice-presidente, general Hamilton Mourão, rebateu, nesta quarta-feira, críticas feitas pelo ator Leonardo DiCaprio. Em uma rede social, o artista disse que o presidente Jair Bolsonaro duvidou publicamente da gravidades dos incêndios. Mourão ressaltou que o ator desconhece a floresta. “Eu gostaria de convidar o nosso mais recente crítico, o nosso ator Leonardo DiCaprio, para ir comigo fazer uma marcha de oito horas pela selva. E ele vai aprender que a Amazônia não é uma planície e aí entenderá melhor como funcionam as coisas nessa imensa região”, afirmou. Mourão disse que tem como maior angustia apresentar resultados a repeito da Amazônia, mas criticou o que chama de desinformação sobre a situação da região. Segundo ele, as queimadas ocorrem em áreas humanizadas, mas a floresta não está queimando, diferentemente da imagem passada ao resto do Brasil e ao mundo.

*Com informações do repórter Levy Guimarães