Nova crise da água no Rio de Janeiro será apurada por MP e Defensoria

No início do ano passado, em 2020, a água fornecida pela Cedae tinha cor, cheiro e gosto de terra

  • Por Jovem Pan
  • 01/02/2021 07h52
SAULO ANGELO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDOO MP e a Defensoria também não querem mais que os relatórios de qualidade sejam produzidos pela própria empresa

A qualidade ruim da água fornecida pela Cedae vai ser investigada mais uma vez por autoridades fluminenses — dessa vez, pelo Ministério Público e pela Defensoria Pública. O problema se repete agora no começo de 2021. No início do ano passado, em 2020, a água fornecida pela Cedae tinha cor, cheiro e gosto de terra. Agora, só não tem cor — mas gosto e cheiro se repetem. As autoridades fluminenses querem saber porque que a Cedae não tomou providencias para evitar ao longo de um ano a proliferação da geosmina.

O pior de tudo é que a Cedae informa, através dos seus relatórios, que a água está dentro dos padrões normais — mesmo com água fedorenta e com gosto de terra saindo das torneiras de vários consumidores no Rio de Janeiro capital, região metropolitana e baixada fluminense. O MP e a Defensoria também não querem mais que esses relatórios de qualidade sejam produzidos pela própria empresa. Querem que órgãos externos passem a atestar a qualidade da água fornecida pela Companhia de saneamento.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga