Paris fecha bares e impõe novas regras sanitárias para restaurantes e bistrôs

Estabelecimentos que servem bebidas alcoólicas e refeições terão que fechar as portas até às 22 horas

  • Por Jovem Pan
  • 05/10/2020 08h05 - Atualizado em 05/10/2020 11h20
EFEAs novas medidas terão validade de duas semanas pelo menos para tentar baixar os números de contaminações por lá

As grandes cidades do mundo começam a adotar medidas mais duras de restrição de circulação outra vez para tentar conter o Covid-19. Depois de Madri e Nova York, hoje é a vez de Paris anunciar que entrou em alerta máximo mais uma vez. Todos os bares da capital mais popular da Europa serão fechados a partir da terça-feira (6). Novas regras sanitárias terão que ser adotadas por restaurantes e bistrôs da cidade, que vão poder permanecer abertos, mas com muitas restrições. Estabelecimentos que servem bebidas alcoólicas e refeições terão que fechar as portas até às 22 horas. As novas medidas terão validade de duas semanas pelo menos para tentar baixar os números de contaminações por lá. O governo francês também voltou a pedir que as pessoas trabalhem de casa sempre que possível e evitem deslocamentos desnecessários. Paris entrou em alerta máximo ao atingir a marca de 250 casos de Covid-19 por cada 100 mil habitantes.

Neste fim de semana, a capital espanhola Madri entrou em um novo lockdown regional com seus três milhões de habitantes apenas podendo sair de seus bairros para viagens essenciais. Bares e restaurantes não podem servir depois das 20 horas e os encontros com mais de seis pessoas estão proibidos. A taxa de infecção em Madri é de cerca de 700 casos por 100.000 pessoas nos últimos quinze dias. Na Espanha, como um todo, essa referência é de quase 300 em cada 100.000 pessoas, disparada a mais alta da Europa. O fato é que este abre e fecha deve continuar sendo regra pelos próximos meses. E as vítimas têm ficado pelo caminho — sobretudo aquelas relacionadas às indústrias mais afetadas.

Hoje uma das principais redes de cinema da Europa, a Cineworld, decidiu fechar as portas de todas as suas salas na Inglaterra e nos Estados Unidos. São mais de 650 cinemas que vão suspender suas operações colocando 45 mil empregos em risco. A decisão foi tomada depois que um dos principais blockbusters desta temporada teve seu lançamento adiado mais uma vez. O novo filme da franquia 007 estava previsto para sair no mês que vem, mas os produtores adiaram a estreia de novo para abril de 2021.