PF quer saber se pedófilo lucrava com distribuição de vídeos na internet

O estuprador, de 40 anos, fotografou os menores, filmou os atos e colocou os conteúdos na chamada Deep Web

  • Por Jovem Pan
  • 05/08/2020 07h47 - Atualizado em 05/08/2020 08h05
Divulgação/PFOs investigadores vão analisar as gravações feitas pelo homem para tentar descobrir quantos abusos teriam sido cometidos

A Policia Federal acredita que o homem de 40 anos, preso na terça-feira, 04, em São Paulo, abusou dezenas vezes dos filhos de uma prima da própria mulher sem que ninguém em casa soubesse de nada. Segundo os investigadores, as vítimas eram um menino de 3 anos e uma menina de 5 anos. O estuprador fotografou, filmou os atos e colocou na chamada deep web, universo que foge dos padrões conhecidos para acessar a internet. O homem, que é casado e não tem filhos, foi detido na zona leste da cidade em uma operação conjunta da PF com a Interpol.

A mãe das crianças já tinha perdido a guarda dos filhos por mal comportamento. Os dois ficavam com uma avó e frequentavam a casa do estuprador. O delegado Marcelo Ivo de Carvalho disse que o homem alegou interesse em entrar no mundo da Deep Eeb e que pra isso teria que fornecer conteúdo de pedofilia. A partir de agora, as crianças serão acompanhadas por psicólogos.

Os investigadores vão analisar as gravações feitas pelo homem para tentar descobrir quantos abusos teriam sido cometidos. Segundo a Polícia Federal, as penas serão multiplicadas pelo número de casos. O crime de publicação de imagens de pornografia infantil prevê pena de 3 a 6 anos de reclusão. Já o estupro de vulneráveis prevê de 8 a 15 anos de prisão.

*Com informações do repórter Victor Moraes