População ignora risco e lota comércio popular em São Paulo

Estado de SP regrediu no Plano São Paulo nos dias 25, 26 e 27 de dezembro e retomou atividades na terça, 28

  • Por Jovem Pan
  • 30/12/2020 10h01
Foto: ANDRé PERA/PERA PHOTO PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO PEP20201229009 - 29/12/2020As orientações são para que se evite frequentar o comércio popular, optando pelas lojas do bairro

Nem mesmo o tempo fechado e a chuva fina afastaram a multidão que foi até o centro de São Paulo para trocar os presentes de Natal e fazer mais compras. É muita gente por todos os lados. Ambulantes nas calçadas, trânsito de veículos, lojas lotadas e o pior: pessoas sem máscara em meio a aglomeração. O Estado de São Paulo regrediu para a Fase 1 – Vermelha do Plano São Paulo nos dias 25, 26 e 27 de dezembro e o mesmo deve acontecer nos dias 1º, 2 e 3 de janeiro como medida preventiva para que o tumulto diminua.

Nestes dias, funcionam apenas serviços essenciais como os de saúde e mercados. Andando pelas ruas do centro, a dona Maria estava com a máscara quase no queixo. “Por causa da máscara, né? Que está pela metade. Acabei de tirar para respirar porque estava aqui dentro, só estou esperando meu esposo.” E o número de infectados e mortos só aumenta no Estado. São Pulo registrou mais de 186 mil casos do novo coronavírus em dezembro. Mesmo assim, as pessoas continuam aglomeradas — principalmente em centros comerciais, como na Rua 25 de março. É tanta gente que fica difícil andar pela calçada.

“Infelizmente tem gente que não tem consciência, né? Não pensa no próximo, não é não?” No meio de tanta gente, estava a Gesiane. Ela foi rapidinho até a Rua 25 de março por um motivo especial. “Na Virada do Ano já começar noiva, preparando as coisas para o casamento.” Ela conta que, apesar do risco de exposição ao vírus, está se cuidando. “As pessoas aqui são meio irresponsáveis, mas não podemos ser também. Estou com máscara o tempo todo.” As orientações são para que se evite frequentar o comércio popular, optando pelas lojas do bairro. E sempre com o uso de máscaras.

*Com informações da repórter Mônica Simões