Possível escolha de desembargador para vaga de Celso de Mello divide senadores

Para ingressar no STF, o futuro indicado precisa ser aprovado pelo Senado Federal

  • Por Jovem Pan
  • 01/10/2020 06h41 - Atualizado em 01/10/2020 12h25
Samuel Figueira/TRF-1 Regiãoara parlamentares de fora da base aliada, a surpresa é considerada positiva por ele não fazer parte do circulo que ronda o Palácio do Planalto

Senadores de centro e oposição receberam com surpresa o nome do desembargador do TRF-1, Kassio Nunes Marques, como o favorito a ser indicado pelo presidente ao Supremo Tribunal Federal. Muitos esperavam a nomeação de um membro do governo como o ministro da Justiça, André Mendonça, o da secretaria-geral da República, Jorge Oliveira ou algum magistrado diretamente ligado à bancada evangélica. Para parlamentares de fora da base aliada, a surpresa é considerada positiva por ele não fazer parte do circulo que ronda o Palácio do Planalto.

Senadores do Piaui, conterrâneos de Kassio Nunes, comemoraram a possibilidade. Ciro Nogueira disse que está na torcida para que ela se concretize. Segundo o parlamentar, Nunes é considerado um dos desembargadores federais mais produtivos e a escolha de Bolsonaro seria um gesto de reconhecimento da capacidade do povo nordestino. Também do Piaui, o senador Elmano Ferrer disse que Kassio Nunes é um desembargador com grande capacidade de articulação e muito respeito no meio. Por outro lado, o senador Styverson Valentim, considera o nome imprevisível por não ter sido ventilado. Ele questiona quem é o católico Kassio Nunes, e não o “terrivelmente evangélico” — e se a escolha é do presidente ou se tem outras mãos por trás. Para ingressar no STF, o futuro indicado precisa ser aprovado pelo Senado Federal.

*Com informações do repórter Levy Guimarães