‘Presidente mostrou que prioriza a nação brasileira em detrimento de interesses’, diz Skaf

Fiesp divulgou manifesto em defesa da ‘independência e harmonia entre os Poderes’; presidente da federação ainda disse que atitude de Bolsonaro foi generosa e que carta mostra um novo horizonte

  • Por Jovem Pan
  • 10/09/2021 08h49 - Atualizado em 10/09/2021 09h58
Mateus Bonomi/AGIF/Estadão ConteúdoPresidente Jair Bolsonaro divulgar carta nesta quinta-feira, 9, afirmando que nunca teve “nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes”

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) divulgou nesta sexta-feira, 10, um manifesto em defesa da independência e harmonia entre os poderes. A nota assinada por mais de 200 entidades afirma que “momentos de crise exigem de todos serenidade, diálogo, pacificação, política, estabilidade institucional e, sobretudo, foco em ações em ações e medidas urgentes e necessárias para que o Brasil supere a pandemia, volte a crescer de forma sustentável e continue e gerar empregos”. A proposta da entidade é defender o equilíbrio, pregar a paz e a união e pedir que “haja respeito às regras constitucionais”, afirma o presidente Paulo Skaf. “Temos muitas prioridades que precisam ser atendidas. A única coisa que não precisamos em um momento que é desentendimentos entre nós brasileiros, a democracia é fundamental”, afirmou em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan.

A decisão de divulgar o documento acontece um dia após o presidente da República, Jair Bolsonaro, recuar nas declarações feitas durante os atos de 7 de setembro e divulgar carta afirmando que nunca teve “nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes”. Segundo Paulo Skaf, o posicionamento foi bem recebido pelos empresários, mostrou desprendimento do Chefe do Executivo e “deixou claro que há um novo horizonte” para o país. “O presidente mostrou que, sem dúvida, ele prioriza a nação brasileira a vaidades pessoais ou interesses políticos. Foi uma iniciativa corajosa. Houve reconhecimento e ele deu tom aos demais Poderes: ‘Olha, vamos estar juntos pelo Brasil’. Isso é ótimo”, pontua o líder da Fiesp.

Na visão de Skaf, com o novo posicionamento de Bolsonaro, a atitude de relembrar as declarações conflituosas feitas durante as manifestações do 7 de setembro não é mais positiva. “Houve retratação em relação à alguma atitude e momento que tenha exagerado, ele nessa nota se refere exatamente a isso. Da minha parte, quero olhar para a frente”, assegurou. Anteriormente, a Fiesp já havia anunciado a divulgação da nota em defesa da democracia. No entanto, segundo Paulo Skaf, após um “desentendimento” na Federação Brasileira de Bancos (Febraban), o documento foi “politizado”. Com isso, a entidade adiou para que a nota fosse publicada no “momento adequado”. O manifesto desta sexta-feira tem apoio de 247 representações, mas não traz a Febraban entre elas.