Queiroz e filha prestam novo depoimento no caso das ‘rachadinhas’

O ex-assessor e sua filha Nathalia Queiroz foram ouvidos no âmbito das investigações sobre o suposto vazamento da Operação Furna da Onça

  • Por Jovem Pan
  • 04/09/2020 07h28 - Atualizado em 04/09/2020 08h22
WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDOA defesa de Nathalia e Fabrício Queiroz disse que ambos permanece à disposição da Justiça e que eles não cometeram nenhum tipo de crime

O ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz voltou a prestar depoimento na quinta-feira, 3, no Ministério Público do Federal do Rio de Janeiro no âmbito das investigações sobre o suposto vazamento da Operação Furna da Onça, no fim de 2018. Queiroz já tinha sido ouvido quando esteve preso no Complexo de Bangu, na zona oeste da capital fluminense. A filha do ex-assessor, Nathalia Queiroz, também foi ouvida pelo procurador Eduardo Benones, na sede do MPF-RJ. Os dois chegaram pouco depois das 14h e permaneceram no local por certa de duas horas. Foram depoimentos individuais e o teor dos interrogatórios não forem relevados. A defesa de Nathalia e Fabrício Queiroz disse que ambos permanece à disposição da Justiça e que eles não cometeram nenhum tipo de crime.

A denúncia de que houve vazamento na Operação Furna da Onça foi feita pelo empresário Paulo Marinho, suplente do senador Flávio Bolsonaro e que um dos apoiadores de Jair Bolsonaro ao cargo na presidência. Segundo a denúncia do empresário, um delegado da Polícia Federal teria antecipado a Flávio Bolsonaro a operação, de onde saíram relatórios do antigo Coaf com as tais movimentações financeiras atípicas em mais de 20 gabinetes da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), dando início as investigações sobre as “rachadinhas“. Flávio Bolsonaro nega também que tenha participado de qualquer esquema de desvio de recursos. No próximo dia 21, está programada uma acareação entre o senador e o empresário Paulo Marinho no âmbito do inquérito sobre o suposto vazamento da operação. A defesa de Flávio já antecipou que o parlamentar não poderá comparecer. No entanto, segundo o MPF a data segue confirmada, já que os advogados do senador não comunicaram oficialmente que ele não poderá comparecer na data marcada.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga