Rio cria programa de apoio a famílias de vítimas de violência contra a mulher

Em 2020, Estado teve quase 100 mil casos de agressões e 78 feminicídios registrados; maioria das vítimas morreu nas mãos de um ex-companheiro

  • Por Jovem Pan
  • 18/10/2021 11h02 - Atualizado em 18/10/2021 11h49
Pixabay/Creative CommonsEstado registrou quase 80 mortes classificadas como feminicídios em 2020

O governo do Rio de Janeiro está criando um núcleo para dar assistência a familiares de vítimas de violência e de feminicídio. De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), em 2020, foram quase 100 mil casos de violência do tipo registrados no Estado e 78 mulheres morreram, 20% delas na frente dos próprios filhos. O relatório apontou que das 78 vítimas de feminicídio no RJ, 52 eram mães e 34 tinham filhos menores de idade. A maioria dos casos de agressão às mulheres foi cometida por maridos ou companheiros e antes de morrer as vítimas sofreram agressões, mas não deram queixa na delegacia. Ao todo, 75% delas foram mortas dentro de casa. Em média, elas tinham idade de 30 a 59 anos e a maioria delas morreu porque o ex-marido ou companheiro não aceitava o fim do relacionamento. Também em 2020, o RJ também regitrou mais de 5,6 mil crimes de violência sexual contra mulheres, o que representa uma queda de 15% em relação a 2019. De acordo com o ISP, em média sete estupros de meninas e adolescentes ocorreram diariamente no Estado ao longo do ano.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga