Rio de Janeiro não vai exigir prescrição médica para vacinar crianças contra a Covid-19

Medida não deve ser adotada nem pela capital nem pelo Estado; expectativa é de que pelo menos um milhão de menores entre 5 e 11 anos recebam imunizantes

  • Por Jovem Pan
  • 28/12/2021 09h47
LUIS GANDARILLAS / AFP menino olhando vacina na Bolívia Expectativa é de que crianças entre 5 e 11 anos comecem a ser vacinadas na segunda metade de janeiro no Rio

Nem a prefeitura nem o governo do Estado do Rio de Janeiro exigirão prescrição médica para vacinação de crianças de 5 a 11 anos contra a Covid-19. A expectativa na região é de que doses da Pfizer sejam aplicadas na faixa etária na segunda metade de janeiro, pouco após a fabricante entregar os imunizantes ao Estado. Segundo as estimativas da prefeitura, cerca de um milhão de crianças devem ser contempladas com a nova fase da imunização. Recentemente, o prefeito Eduardo Paes usou as redes sociais para citar um trecho do Estatuto da Criança e do Adolescente afirmando que a vacinação dos menores é obrigatória em casos recomendados por autoridades sanitárias. A polêmica em torno da prescrição médica para vacina ocorre diante da possibilidade de que o governo federal exija um atestado médico para a imunização dos menores. Na última sexta-feira, 24, o Conselho de Secretários de Saúde (Conass) divulgou uma nota afirmando que o documento não será exigido pelos Estados. A avaliação é que o pedido inviabilizaria a campanha de imunização infantil, considerada essencial em meio aos avanços da variante Ômicron no Brasil e no mundo.

*Com informações do repórter Rodrigo Viga