São Paulo inicia aplicação da Pfizer como substituta da AstraZeneca nesta segunda, diz secretário

Segundo Edson Aparecido, a medida será válida para pessoas que deveriam tomar a segunda dose da vacina da Fiocruz entre 1 e 15 de setembro; imunização deve começar a partir das 15h

  • Por Jovem Pan
  • 12/09/2021 10h04 - Atualizado em 12/09/2021 11h05
FABRÍCIO COSTA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

A cidade de São Paulo ainda não iniciou a aplicação da vacina da Pfizer para substituição da segunda dose da AstraZeneca. A possibilidade foi anunciada pelo governo do Estado na sexta-feira, 10, devido ao completo desabastecimento do imunizante de Oxford em meio a um atraso nas entregas pela Fiocruz, fabricante do composto no Brasil. Agora, a expectativa é a aplicação heteróloga dos compostos comece na tarde desta segunda-feira, 13, explica o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido. “Recebemos por parte do governo do Estado 165 mil doses da Pfizer e também o instrutivo para aplicação em pessoas que deveriam tomar a segunda dose da AstraZeneca entre 1 e 15 de setembro. Vamos discutir [as vacinas] em toda a nossa rede e acreditamos que por volta de 16h reinicie a vacinação para pessoas que deveriam tomar AstraZeneca”, afirmou em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan.

Edson Aparecido também falou sobre a imunização de adolescentes e a aplicação da terceira dose em idosos e imunossuprimidos. Segundo ele, mais de 80% dos jovens com mais de 12 anos já foram vacinados, o que, para ele, reforça o sucesso da campanha em São Paulo. “Já vacinamos 104% das pessoas com D1 [primeira dose], são 66% com vacinação completa. A adesão dos jovens foi espetacular, 83% vacinados. Quando temos vacinas disponíveis, conseguimos fazer uma escalada”, ressaltou. Sobre o reforço vacinal, o secretário afirmou que a capital paulista seguiu as recomendações do Estado e, por isso, aplicou as vacinas que estavam disponíveis nos postos de saúde, o que inclui a CoronaVac, Pfizer e AstraZeneca.