São Paulo registra 236 mil novos empreendimentos de janeiro a outubro

Somente no último mês do levantamento, o Estado teve a abertura de 25 mil empresas; na capital paulista, 14% são da área da saúde

  • Por Jovem Pan
  • 10/12/2021 11h43 - Atualizado em 10/12/2021 11h51
Reprodução/NeoFeed negócios Somente no mês de outubro, São Paulo registrou 25 mil novos empreendimentos no Estado

Três em cada dez brasileiros adultos, que tem entre 18 e 64 anos, estão empreendendo no Brasil, de acordo com a pesquisa Global Entrepreneurship Monitor (GEM), realizada no Brasil pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP). Somente São Paulo registrou 236 mil novos empreendimentos de janeiro a outubro deste ano, número 5% maior do que o registrado em 2019, como aponta a Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado. Apenas no mês de outubro, São Paulo teve 25 mil novas empresas abertas. Na capital paulista, 14% dos investimentos em novos negócios foram feitos em serviços destinados à saúde.

Para Antônio Everton, economista da Confederação Nacional do Comércio (CNC), o espírito empreendedor está atrelado ao baixo crescimento da economia e ao desemprego no país. “Se a gente olhar para trás, a gente vai olhar que desde 2017 a economia brasileira cresce muito pouco. Esse é um cenário que configura bastante a questão empreendedora voltada para o empreendedorismo por necessidade, muito mais do que por oportunidade econômica”, explica. De acordo com o governo federal, no primeiro quadrimestre de 2021, foram abertas 1,393 milhão de empresas, o que representa um aumento de 7% por cento em relação ao último quadrimestre d2 2020. No mesmo período, foram fechadas 438 mil empresas, um aumento de 23% no quantitativo.

Aos 43 anos, Roberta Berkeras resolveu empreender. Ela trocou a área da educação, na qual trabalhava como diretora, e investiu na área de beleza e estética, adquirindo uma franquia. A unidade dela funciona desde junho e já soma mais de 80 clientes. A expectativa é ter o retorno do investimento em um ano de operação. “Eu era da área da educação, e foi uma área bastante afetada com a pandemia. Eu queria trocar de área e comecei a pesquisar. Como eu era consumidora da estética, me interessei, pesquisei e fui atrás”, conta. A rede de estética da qual Roberta comprou uma franquia projeta, neste ano, multiplicar dez vezes o faturamento de 2020, chegando a R$ 120 milhões. Atualmente, a empresa tem 200 unidades funcionando e já vendeu outras 280.

*Com informações do repórter Victor Moraes