‘Situação de Trump é mais grave que a de Nixon e Watergate’, avalia Rubens Ricupero

Para embaixador, EUA está dividido praticamente ao meio e Joe BIiden vai enfrentar grandes desafios

  • Por Jovem Pan
  • 14/01/2021 10h01
EFE/EPA/JIM LO SCALZODe acordo com o embaixador, Donald Trump não vai sair do cenário político e deve continuar na mesma linguagem

O diplomata e jurista Rubens Ricupero, que também foi embaixador, acredita que a situação do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, é pior do que a enfrentada pelo ex-presidente Richard Nixon e Watergate. Mas, de acordo com ele, o que mais preocupa é que o apoio a atos antidemocráticos não causa a mesma “condenação unânime” por parte da sociedade. “Eu estava em Washington na época do quase impeachment de Nixon. Nessa época, o comportamento dele, que não era tão grave quanto o de Trump, teve condenação quase unânime do país. Ele renunciou porque uma comissão de altíssimo nível foi à Casa Branca e o pressionou.”

Em entrevista ao Jornal da Manhã, da Jovem Pan, Ricupero destacou que, dessa vez, embora o partido republicano tenha se dividido, teve uma dissidência pequena. “Só 10 deputados republicanos votaram a favor do processo de impeachment. Isso mostra um apoio enorme que ele ainda tem e a consequência disso. O medo dos parlamentares de terem suas bases afetadas caso tomem partido contra Trump. A situação de agora é mais grave que a de Nixon e Watergate.” Para ele, isso é motivo de inquietação. “A culpa dele [na invasão ao Capitólio] estava mais do que evidência, foi registrada ao vivo”, completou.

Para Ricupero, o país está dividido praticamente ao meio e o presidente eleito, Joe Biden, tem um grande desafio pela frente — que não depende só dele. “Tentar um mínimo de unificação e coesão social. Isso não é fácil e nem depende da qualidade do presidente. Lincoln, quando tomou posse, encontrou uma situação parecida. E, mesmo com todo o esforço, ele não conseguiu”, disse. “Há situações em que mesmo tendo intenções do presidente, não depende só de um lado. Tem momento da vida que tudo conspira para levar ao confronto. Ninguém pode predizer o que vai acontecer.”

De acordo com o embaixador, Donald Trump não vai sair do cenário político e deve continuar na mesma linguagem. “Ninguém muda alguém aos 74 anos de idade. Ele já anunciou isso. Ele vai continuar mantendo o movimento dele. Ele tem uma intenção clara de voltar ao governo daqui a quatro anos.” E é por isso que existe a intenção de condená-lo por desqualificação, através do impeachment, mesmo após o fim do seu mandato e da posse de Biden. “Trump teria que ser condenado por estimular um atentado contra a Constituição. Se isso não acontecer, ele continua com força na política americana.”

Rubens Ricupero confia em uma boa relação do Brasil com um governo democrata. “Isso é possível desde que saibamos extrair lições do que acontecei. A eleição do presidente Biden, sobretudo agora na manifestação de que Trump não tem respeito por regras democráticas e eleições, deveria ser vista no Brasil como uma oportunidade de reflexão e revisão das nossas posições. Bastaria que a gente procurasse ter um comportamento mais normal e amistoso, evitando declarações que já começam agressivas.” Para ele, é preciso responder a questões sobre a Amazônia e Pantanal de forma diplomática. “A diplomacia existe para resolver conflitos e evitar que divergências se tornem irreversíveis. Nada está perdido, depende de nós.”