União Brasil minimiza perdas e defende diálogo com Sergio Moro em 2022

Resultado da fusão do PSL e do DEM, novo partido espera ter candidaturas majoritárias em 2022

  • Por Jovem Pan
  • 03/11/2021 07h50 - Atualizado em 03/11/2021 09h27
Gabriela Biló/Estadão ConteúdoEx-ministro da Justiça, Sergio Moro anunciou filiação ao Podemos nesta semana

Ainda em construção, o recém criado União Brasil, resultado da fusão entre os partidos Democratas (DEM) e Partido Social Liberal (PSL), já se movimenta visando as eleições de 2022. Vice-presidente nacional do PSL, o deputado federal Júnior Bozzella defende diálogo com o ex-juiz Sergio Moro, que anunciou filiação ao Podemos. “Ele está buscando uma filiação, mas isso tem tempo ainda para ser avaliado para ele aglutinar, no caso do Moro especificamente, os melhores apoios possíveis ou procurar uma agremiação que lhe ofereça alguma condição mais favorável”, disse. O União Brasil surge como um dos principais partidos para a disputa eleitoral no próximo ano. A meta é ter candidaturas majoritárias em todos os cenários. No entanto, a saída de José Luiz Datena do PSL pode fazer a estratégia ser alterada.

Mesmo com a baixa, Bozzella disse que o quadro de futuros nomes do futuro União Brasil deve ser reforçado. “Tem bons nomes que poderão agregar. O nome do Arthur do Val, Geraldo Alckmin. Se o partido não tiver uma candidatura majoritária em determinado Estado, no mínimo o partido tem que indicar o candidato, esse é o caminho. O plano nacional é a candidatura à presidência da República”, afirmou o vice-presidente do PSL. A expectativa do futuro presidente do União Brasil é ter a primeira ou segunda maior bancada da Câmara dos Deputados.

*Com informações do repórter João Vitor Rocha