Vereador acusa Pazuello de crime de responsabilidade: ‘Deve ser afastado urgentemente’

Em entrevista ao Morning Show, Rubinho Nunes (Patriota) disse que o ‘ministro da Saúde atua como serviçal do presidente’; Pazuello é o terceiro a comandar a pasta durante a pandemia

  • Por Jovem Pan
  • 18/01/2021 13h05 - Atualizado em 18/01/2021 13h29
Imagem: Reprodução/Morning ShowPara o vereador Rubinho Nunes, Eduardo Pazuello 'não tem condições écnica, ética e moral para conduzir o ministério da Saúde'

Em entrevista ao programa Morning Show, da Jovem Pan, nesta segunda-feira, 18, o vereador Rubinho Nunes (Patriota) esclareceu porque protocolou uma ação popular pedindo o afastamento do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. “Pazuello não tem mostrado aptidão, responsabilidade e coerência para conduzir uma pasta tão importante durante este período de pandemia. Ele não orienta a população, não traz propostas ou soluções para conter a disseminação da Covid-19, mas atua como serviçal do presidente. Pazuello está ali para proferir as baboseiras que Jair Bolsonaro considera conveniente, desta forma, presta um desserviço para a saúde. A conduta do ministro é uma verdadeira tragédia, assim como a de todo o governo Bolsonaro. O maior prejuízo para a sociedade foi termos eleito Jair Bolsonaro“, disse. Segundo Rubinho, a conduta de Pazuello à frente do ministério “atenta contra a seriedade da pasta, contra os gastos públicos e a moralidade”. A ação popular é um instrumento que concede aos cidadãos um meio para questionar e fiscalizar judicialmente a atuação dos agentes públicos. Considerando que Pazuello cometeu crimes de responsabilidade, através da ação, o vereador pede o afastamento imediato do ministro.

“As vidas dos brasileiros estão em risco porque o ministro não sabe como resolver problemas. Está ali apenas para fazer proselitismo político. Dado esse cenário catastrófico, não resta outra alternativa para o Brasil senão o socorro judiciário, Pazuello deve ser afastado urgentemente porque não tem condições técnica, ética e moral para conduzir o ministério da Saúde”. Pazuello assumiu o comando da pasta em 15 de maio, após a saída de Nelson Teich, sendo o terceiro a ocupar o cargo durante a pandemia. Nesse dia, o Brasil registrava 218.223 casos de coronavírus. Nesta segunda, a quantidade de infectados por Covid-19 em todo país atinge a marca de 8.488.099 casos.

Confira na íntegra a entrevista do vereador Rubinho Nunes (Patriota):