Marcela McGowan fala sobre perda de desejo no relacionamento e mitos da sexualidade

Ex-BBB e ginecologista foi uma das entrevistadas do programa ‘Mulheres Positivas’ e falou sobre saúde sexual e receios da mulher; psicóloga Tatiana Presser trouxe discussão sobre a monogamia

  • Por Jovem Pan
  • 10/05/2021 18h08
Jovem Pan/YoutubeEx-BBB e ginecologista Marcela McGowan foi uma das entrevistadas do programa ‘Mulheres Positivas

O programa “Mulheres Positivas”, da Jovem Pan, trouxe como convidadas nesta segunda-feira, 10, a médica ginecologista, apresentadora e ex-BBB Marcela McGowan e a psicóloga sexpert Tatiana Presser. As entrevistadas de Fabi Saad falaram sobre a saúde sexual da mulher e os receios que muitas têm dentro dos relacionamentos. “Eu acho que um dos maiores medos e queixas que a gente vê é a perda do desejo. Em um relacionamento longo, a gente vê a mudança de padrão de desejo e a gente vê que isso incomoda muito as mulheres. Por que eu não sinto mais pela pessoa o que eu sentia no começo do relacionamento?'”, questionou McGowan.

“O grande mito da sexualidade é o mito da espontaneidade, que é uma coisa que existe no começo de um relacionamento, então o desejo é espontâneo, você tem ali a história do ‘não consigo assistir meio episódio sem transar’ e depois de cinco anos você maratona 25 séries e fica rezando para a pessoa não te incomodar, para você não perder o episódio. As pessoas mantêm esse mito de que para sempre a sexualidade vai ser uma coisa muito fluida, e isso é um erro, porque é uma coisa que você tem que investir energia. É um gasto energético e emocional muito grande”, afirmou. A médica lembrou que, enquanto a tensão sexual de uma relação diminui com o passar do tempo, o relacionamento ganha em outras áreas, como na melhora da intimidade e do diálogo.

Já a psicóloga Tatiana Presser trouxe a discussão sobre a monogamia que, segundo ela, não é praticada por muitas espécies, sendo algo quase exclusivo dos seres humanos, o que torna “normal” que uma relação esfrie após algum tempo. Com isso, é importante tentar esclarecer questionamentos e tabus. “O que muitas não entendem é que a maioria das mulheres tem desejo reativo. Elas não iniciam as relações, então é a diferença entre o desejo espontâneo para o reativo, a gente reage à instigada do homem”, pontuou. Ela lembrou que pesquisas mostram que há “obstáculos” entre as mulheres e o orgasmo. “80% das mulheres têm dificuldade de chegar ao orgasmo na penetração. Muitas dessas dificuldades são por falta de informação, falta de entender o próprio corpo”, explicou. Com mais de 20 anos de carreira, a psicóloga narrou a lenta diminuição do tabu de falar sobre masturbação e falou sobre a importância de se debater assuntos do tipo para melhorar a vida sexual das mulheres.

Como livro para as mulheres positivas, a psicóloga indicou uma obra feita por ela mesma: “Vem transar comigo: Um manual de sexo quase completo”; como filme tocante, “Tomates Verdes Fritos” e ao falar de pessoas admiráveis, lembrou da obra da norte-americana Betty Dodson, conhecida como “ícone da masturbação feminina”, e de Oprah Winfrey. Para McGowan, uma mulher admirável é a escritora nigeriana Chimamanda Ngozi Adichie, um livro para indicação é “Mulheres que correm com os lobos” e uma obra audiovisual que deve ser vista pelas mulheres para encarar o mundo no qual vivemos atualmente é “O Conto da Aia”.

Confira o programa “Mulheres Positivas” desta segunda-feira, 10, na íntegra: