Augusto Nunes: ‘OMS tem que investigar crimes cometidos pela China durante a pandemia’

‘China sofre de uma desconfiança merecidíssima’, afirma o comentarista; organização criou uma equipe científica internacional para determinar a origem do vírus que causou a pandemia da Covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 16/12/2020 20h33
EFE/EPA/AARON M. SPRECHERAlguns países, como os Estados Unidos, já acusaram abertamente o país asiático de ter criado e disseminado o vírus

A Organização Mundial da Saúde (OMS) criou uma equipe científica internacional para determinar a origem do vírus que causou a pandemia da Covid-19. Nesta quarta-feira, 16, a OMS informou que o grupo viajará em janeiro para a China, país onde houve os primeiros casos de coronavírus no mundo. Segundo informações da AFP, não há detalhes sobre a missão, mas fontes da OMS afirmaram em várias ocasiões que desejam visitar Wuhan, considerada o epicentro da origem da doença. Alguns países, como os Estados Unidos, já acusaram abertamente o país asiático de ter criado e disseminado o vírus — inclusive alegando que foi proposital. O comentarista Augusto Nunes, do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, disse que “há um complô entre a OMS e a China para esconder crimes cometidos durante a pandemia”.

Alguns citados por Augusto foram o desaparecimento do jornalista independente e advogado Chen Qiushi — que produzia vídeos sobre a crise sanitária em Wuhan –, e a morte do médico Li Wenliang – apontado como um dos primeiros a identificar a existência do surto do novo coronavírus, alertar as autoridades, e ser convocado pela polícia pela atitude. Para o comentarista, a OMS ajudou a China a esconder os casos da Covid-19 e agora “vai procurar” o que aconteceu. “Basta os diretores [da OMS] contarem o que sabem e nunca contaram, porque foram informados antes e não falaram”, afirmou. A missão da organização é integrada por 10 cientistas da Dinamarca, Reino Unido, Holanda, Austrália, Rússia, Vietnã, Alemanha, Estados Unidos, Catar e Japão. Augusto citou, ainda, uma pesquisa Datafolha, divulgada na última sexta-feira, 12, que indica que metade da população respondeu que não tomaria a CoronaVac, produzida pelo laboratório chinês SinoVac e o Instituto Butantan, de São Paulo. “A China é suspeita. Aliás, a explicação do Datafolha, que mostrou que 50% dos brasileiros não querem saber da vacina chinesa, é que todo o produto chinês é vagabundo. É oito ou 800. Ou eles fazem uma coisa fina de grife para gente rica, ou são aqueles produtos que você usa uma calça que dissolve. O povo pobre está muito desconfiado porque tudo que é chinês para eles pode ser falso, made in china não é uma boa apresentação. A China sofre de uma desconfiança merecidíssima”, disse o comentarista.

Assista ao programa na íntegra: