Jornal americano não acusou Doria de receber propina da Sinovac

No trecho, é descrito pelo governador que a CoronaVac é a vacina mais segura que o país já testou; não há menção sobre corrupção

  • Por Jovem Pan
  • 16/12/2020 06h41
EFE/ Sebastiao MoreiraAo acessar a página da reportagem, é possível ver a imagem da chegada do imunizante CoronaVac a São Paulo

Páginas no Facebook e vídeos no Youtube fizeram barulho na última semana. Ao alegar que um jornal norte-americano havia denunciado o governador de São Paulo, João Doria, os posts diziam que o governo do Estado teria recebido propina da farmacêutica Sinovac, parceira do Instituto Butantan para o desenvolvimento da vacina contra Covid-19. A matéria, publicada em 4 de dezembro pelo The Washington Post, conta com o seguinte título: “Ao que a China se aproxima de uma vacina contra o coronavírus, há uma nuvem de propina sobre a farmacêutica Sinovac“.

Ao acessar a página da reportagem, é possível ver a imagem da chegada do imunizante CoronaVac a São Paulo e também uma foto de Doria segurando uma das caixas do produto. À partir disso, criou-se uma comoção diante a figura do governador que, na realidade, aparece apenas de modo ilustrativo na matéria. Todo o conteúdo publicado pelo The Washington Post é baseado nos escândalos de corrupção da empresa chinesa. De acordo com o texto, a farmacêutica forneceu US$ 83 mil a órgãos de fiscalização e aprovação de vacinas chinesas entre 2002 e 2011.

O Brasil só é citado duas vezes na reportagem, enquanto Doria conta com apenas uma menção. No trecho, é descrito pelo governador que a CoronaVac é a vacina mais segura que o país já testou. Apesar da circulação da notícia falsa, nesta terça-feira, 15, João Doria encontrou o governador do Ceará, Camilo Santana. No encontro, eles discutiram a aquisição do imunizante pelo estado nordestino. Camilo Santana reafirma o reconhecimento mundial do Instituto Butantan e diz esperar a inclusão da CoronaVac no plano de imunização do governo federal. Quem também almeja a inclusão no plano é o diretor do Butantan, Dimas Covas. Em entrevista à GloboNews, ele afirma que o cronograma de vacinação em São Paulo não será alterado por enquanto e que a vacina estará disponível em janeiro.

*Com informações da repórter Beatriz Carapeto