‘Estou atento à última revoada do pavão de Tatuí’, diz Augusto sobre Celso de Mello

Ministro vai se aposentar no dia 13 e, ainda nesta semana, participa de uma sessão na Corte onde será decidido se Bolsonaro poderá prestar depoimento por escrito no inquérito que apura interferências na PF

  • Por Jovem Pan
  • 07/10/2020 19h37 - Atualizado em 07/10/2020 19h39
Jovem PanAugusto Nunes, comentarista do programa Os Pingos nos Is

Na próxima terça-feira, 13, o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), vai se aposentar. Ainda nesta semana, Mello deve participar de duas sessões no plenário da Corte. Em uma delas, será decidido se o presidente Jair Bolsonaro poderá ou não prestar depoimento por escrito no inquérito que apura a suposta interferência dele na Polícia Federal (PF). O comentarista Augusto Nunes, do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, disse que “está muito atento à última revoada do pavão de Tatuí”, como se refere a Mello.

“STF vai ter que decidir entre duas opções. Ou atende ao capricho insolente de Celso de Mello e ofende a instituição da Presidência da República aprovando o comparecimento do presidente a uma delegacia, ou respeita a presidência e o Celso vai ser obrigado a fazer um pouso forçado com as asas em frangalhos. Espero que o STF tenha juízo e vote pela segunda alternativa”, afirmou o comentarista. Augusto lembrou, ainda, que o ex-presidente Michel Temer foi autorizado duas vezes a votar de forma escrita, pelos ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barroso. “Vamos ver como se comportam os outros. Vamos ver se vão homenagear de novo o ministro [Mello] que se despede em boa hora do Brasil”, finalizou o comentarista.

Celso de Mello, que está no STF desde 1989, quando foi nomeado pelo então presidente José Sarney, sairia compulsoriamente em 1º de novembro ao completar 75 anos, idade máxima para manutenção de servidores públicos na ativa, mas decidiu antecipar sua aposentadoria para a semana que vem. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro indicou o desembargador Kassio Marques para a vaga de Celso de Mello. Antes de tomar posse, Kassio deverá ser aprovado pela Comissão de Constituição de Justiça do Senado e pelo plenário da Casa. A sabatina foi marcada para 21 de outubro.