Fiuza: Brasil não tem oposição, mas sim um ladrão que carrega exército de quem não quer construir nada

Aceno do ex-presidente petista para PSB e políticos do Centrão foi debatido entre comentaristas do programa ‘Os Pingos Nos Is’ nesta segunda-feira, 3

  • Por Jovem Pan
  • 03/05/2021 20h14 - Atualizado em 03/05/2021 20h34
Wilton Junior/Estadão ConteúdoLula articula aproximação com PSB

O Partido dos Trabalhadores e o ex-presidente Lula estão reconstruindo pontes com o PSB nos Estados brasileiros. De olho em 2022, as legendas selaram parcerias no Piauí, na Paraíba e no Amapá e estão iniciando um movimento de reaproximação em Pernambuco, Sergipe e Espírito Santo. Oficialmente, as cúpulas dos partidos afirmaram que a reaproximação tem como foco a “definição de estratégias políticas conjuntas”. Os movimentos políticos começaram após a decisão do Supremo Tribunal Federal que tornou Lula elegível. Ainda nesta semana, o petista deve ir a Brasília para conversar com alguns integrantes do Centrão. A ideia também é estreitar laços para as eleições do ano de 2022.

O comentarista do programa “Os Pingos Nos Is”, da Jovem Pan, Guilherme Fiuza, acredita que o país não tem uma oposição útil, algo que é essencial para um Estado democrático. “O Brasil não tem oposição, isso é muito ruim para a democracia. O que a gente vê é um ladrão circulando aí que nem uma alma penada, evidentemente que não vai andar na rua porque é detestado pelo povo. É um ladrão vagando por aí e levando um pequeno deserto de áulicos metidos a intelectuais, uma burguesia envernizada, uma coisa ridícula de quem não quer construir nada”, afirmou. O comentarista acredita que o lulismo foi criado para desenvolver “departamentos de amizades” dentro do governo e afirmou que o resto da oposição é formada por ex-liberais que se tornaram populistas e são contra as reformas que defendiam anteriormente.

Confira o programa “Os Pingos Nos Is” desta segunda-feira, 3, na íntegra: