Fiuza chama ações de Maia de ‘conspiratórias’: ‘Perdeu a seriedade’

Presidente da Câmara chamou Guedes de ‘desequilibrado’ após ministro acusá-lo de travar privatizações por causa de um ‘acordo feito com a esquerda’

  • Por Jovem Pan
  • 30/09/2020 21h28 - Atualizado em 30/09/2020 22h05
Jovem Pan"Ele se desmoraliza com esse disparate contra Guedes", disse o comentarista

O comentarista Guilherme Fiuza, do programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, disse nesta quarta-feira, 30, que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, “perdeu a seriedade” ao comprar briga com o ministro da Economia, Paulo Guedes. Ontem, Maia fez uma publicação em seu perfil no Twitter questionando Guedes por ter “interditado o debate da reforma tributária”. Depois, ao responder acusações de Guedes de que teria feito um acordo com a esquerda para não pautar privatizações, Maia afirmou que o ministro estaria “desequilibrado” e recomendou que “assistisse ao filme ‘A Queda’”, que fala sobre os últimos dias de vida de Adolf Hitler.

“Está desautorizado a falar pelo Parlamento, porque perdeu a seriedade. O Maia participou do ato inaugural da reforma tributária, gesto que não tinha valor algum da parte dele porque não se compromete com as posturas que assume. Eu me iludi com essas posturas. Maia, ao fazer essa afirmação irresponsável, alegórica, está investindo contra a figura do ministro da Economia que já recebeu telefonema de governador com convite ou sugestão para que abandonasse o cargo em plena pandemia”, disse Fiuza. Segundo ele, essas ações não passam de “conspiratórias”, e prejudicam “o bom funcionamento da democracia”. “O sonho acabou em relação ao resto de responsabilidade e espírito público de Maia. Ele se desmoraliza com esse disparate contra Guedes, algo que vindo de um chefe de poder como ele será repercutido entre agentes internacionais”, continuou Fiuza.

Augusto Nunes, também em comentário ao programa, recomendou a Maia que “providencie um cérebro novo, porque o que ele tem, talvez pela falta de uso, está seriamente avariado”. “Quando tenta associar Guedes ao nazismo escorrega pelo perigoso terreno da galhofa”, disse. Os dois estão publicamente rompidos desde o início de setembro, quando Maia acusou Guedes de ter proibido os secretários da equipe econômica de se encontrarem com o deputado.