Moro detalha portaria da Justiça e diz que Brasil ‘sairá mais forte’ da pandemia de coronavírus

  • Por Jovem Pan
  • 17/03/2020 19h48
Marcos Corrêa/PRSergio Moro, ministro da Justiça e Segurança Pública

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, acredita que o Brasil “sairá mais forte” após superada a pandemia do novo coronavírus. Em entrevista exclusiva ao programa Os Pingos Nos Is, da Jovem Pan, Moro também detalhou a portaria, assinada pela pasta com o Ministério da Saúde, que estabelece medidas mais duras — inclusive criminais — diante do avanço da Covid-19 no Brasil.

“Agora não pode ser momento de oportunismo, tem que ser um momento de união. O Brasil sairá mais forte disso. Vai suscitar a união. Vamos perceber que podemos melhorar políticas públicas e essa ‘crise’ pode nos ajudar a trabalhar por um país mais sólido”, disse.

Moro ressaltou que a portaria publicada neste terça-feira (17) pelo governo tem como objetivo “estabelecer as consequências do descumprimento” das medidas estabelecidas e recomendações médicas para casos de pandemia, como a Covid-19.

“Se deu positivo, não pode sair passeando. A portaria publicada é uma última medida para estabelecer as consequências dos descumprimentos de orientações médicas. Acredito que população vai seguir as orientações médicas, vai compreender voluntariamente a necessidade dessas medidas”, destacou.

Na tarde desta terça, o Ministério da Saúde informou que o número de casos positivos do novo coronavírus está em 291, já os suspeitos saltaram para mais de 8 mil. A primeira morte devido à Covid-19 foi confirmada nesta manhã, em São Paulo.

A portaria ainda estabelece que, em casos de descumprimento ou resistência ao cumprimento das orientações médicas, uma autoridade policial pode “lavrar o flagrante para se fazer cumprir a orientação médica”, que pode envolver quarentena, isolamento domiciliar ou internação.

Fugas em massa

Sobre a motivação das fugas em massa de detentos em diversos presídios de São Paulo, nesta segunda-feira, Moro afirmou que elas não estão relacionadas ao crime organizado, mas sim com o temor do novo coronavírus.

“O governo federal e os governos estaduais buscam evitar a propagação do coronavírus dentro dos presídios. Infelizmente temos que impor restrições como visitas em presídios federais, alguns estados também estão impondo restrições. O governo do estado de São Paulo anunciou que iria suspender as saída temporárias de presos e houve uma resignação de parte da população prisional que queria ter a ‘saidinha’ e acabou fugindo. Acredito que até com medo também do próprio coronavírus”.

Em relação ao fechamento parcial da fronteira com a Venezuela, anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro nesta terça, Moro avaliou o assunto como “delicado”.

“O Brasil é um país amigo dos vizinhos, como a Venezuela, mas com esse regime autoritário fica um pouco mais difícil. Essa medida de fechamento da fronteira tem a questão sanitária presente. É uma análise que o nosso sistema de saúde não tem condições de receber venezuelanos infectados com o vírus. É uma medida eminentemente sanitária, como outros países também já tomaram”, destacou.

Confira a entrevista com o ministro Sergio Moro na íntegra: