‘É muita incompetência política’, diz Julian Lemos sobre Eduardo Bolsonaro

O deputado federal e ex-vice-líder do PSL na Câmara não acredita que Jair Bolsonaro possa deixar o PSL, mas admite que é necessário uma organização da sigla

  • Por Jovem Pan
  • 21/10/2019 19h46
Câmara dos Deputados O deputado federal Julian Lemos (PSL-PB)

Em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, da Jovem Pan, o deputado federal Julian Lemos (PSL-PB) afirmou que os filhos do presidente Jair Bolsonaro são os responsáveis por boa parte das crises geradas no Governo. Na manhã desta segunda, o deputado federal Eduardo Bolsonaro se tornou líder do partido na Câmara dos Deputados, após uma guerra de listas iniciada na semana passada e que promete perdurar ao longo da semana.

Na avaliação de Lemos, é “muita incompetência política” precisar da influência do presidente para se tornar líder do partido na Casa. “Se eu fosse filho do presidente e com quase 2 milhões de votos, com a popularidade dele, eu precisaria que meu pai ligasse pra alguém pra me fazer líder de partido? É muita incompetência política. Pra ser líder tem que ser aclamado, não se pode impor isso a ninguém.”

O parlamentar, que já foi alvo de Carlos Bolsonaro no Twitter, afirmou que sempre será fiel ao presidente Jair Bolsonaro e que ambos são amigos desde os tempos de campanha pelo Nordeste do país. Na época, Carlos afirmou que Lemos nunca foi coordenador de campanha do presidente. “Julian Lemos, a pessoa que tem se colocado como coordenador de Bolsonaro no Nordeste não é e nunca foi! Detalhes creio que todos sabem!”

O vereador também afirmou que Bolsonaro agia “somente ajudando candidatos pelo Brasil”. “Sugerimos parar de aparecer atrás dele por algum motivo como faz sempre”, tuitou Carlos, se referindo a Lemos, em dezembro do ano passado. Lemos rebateu dizendo que trabalhou pela campanha do presidente no Nordeste. “Eu sempre estive com o presidente, viajando de um Estado para outro, e minha fidelidade a ele é uma questão pessoal, mesmo que ele não queira mais”, afirmou.

Crise no PSL

Para o parlamentar e ex-vice-líder do partido na Câmara, destituído nesta segunda por Eduardo, em seu primeiro ato à frente da liderança do partido na Casa, os filhos de Bolsonaro “criam algo e se incomodam”. “Criei um vinculo de amizade e respeito com presidente Jair Bolsonaro desde a campanha porque ele é uma pessoa de muitos valores. Ele me inspirou politicamente e permaneço fiel a ele”, disse.

A crise interna na sigla que se estende desde a semana passada, após o presidente intervir pela liderança do filho no partido mostra um partido desorganizado, na avaliação de Lemos. “O PSL tem que se organizar, mas não da forma que está sendo feita, na surdina. Não concordo com a declaração do Delegado Waldir e trabalho para que ele seja substituído há mais de 12 dias.”

Após a declaração de Waldir que “implodiria o presidente”, Lemos considerou que o ex-líder do partido na Câmara “polarizou com o presidente”. Lemos não acredita numa saída de Bolsonaro do PSL.

“Eu estou do lado da coerência, da unidade, compreendo que o PSL é uma ferramenta de governabilidade dentro do congresso. Não trabalho com a hipótese do presidente sair. E sempre trabalhei nos bastidores por isso, algo incompreensível para os filhos do presidente, que acham que estou o cercando, que acham que não posso evoluir”, declarou o parlamentar.

Confira a íntegra da entrevista com o deputado federal Julian Lemos: