Nelson Teich: ‘Vamos criar um programa melhor de diagnóstico para Covid-19’

  • Por Jovem Pan
  • 16/04/2020 20h20 - Atualizado em 16/04/2020 20h47
EFE/ Joédson AlvesO novo ministro da Saúde, Nelson Teich, durante pronunciamento no Palácio do Planalto

O novo ministro da Saúde, Nelson Teich, afirmou em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, na Jovem Pan, que a pasta deve criar “um programa melhor de diagnóstico” para Covid-19.

“Outras iniciativas ocorrerão. Vamos ter que fazer um programa de diagnóstico melhor para entender o que é a doença na sociedade hoje. E preciso ver o quão detalhadas são as informações que temos. O ideal é que a gente consiga colocar um sistema de informação e inteligência para isso”, disse.

A entrevista concedida nesta quinta-feira (16) foi a primeira após ele assumir a pasta no lugar do agora ex-ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, demitido nesta tarde. Durante pronunciamento ao lado do presidente Jair Bolsonaro, Teich afirmou que a questão da economia e da saúde não podem ser “polarizadas”, mas sim vistas como temas “complementares”.

Na entrevista à Jovem Pan, o novo titular da Saúde voltou a falar sobre o tema e defendeu um trabalho conjunto com o Ministério da Economia.

“No caso da perda econômica, vamos avaliar junto com o Ministério da Economia. Minha maior contribuição será em entender o impacto das alterações econômicas na vida e na saúde das pessoas neste momento. Vamos avaliar o nível de saúde das pessoas. Tudo o que for feito de emprego e na economia, vou trabalhar para traduzir em quanto isso vai influenciar na saúde das pessoas e até no aumento de outras doenças”, explicou.

O oncologista, que defendeu o “isolamento inteligente” em artigo publicado recentemente, afirmou ainda que os programas de enfrentamento ao novo coronavírus que serão criados sob sua gestão beneficiarão estados e municípios. “Qualquer projeto da Saúde é federal, estadual e municipal. Impossível desenhar um programa de qualidade que chegue na sociedade se não for dessa forma.”

Assista à íntegra da entrevista exclusiva com o ministro da Saúde, Nelson Teich: