‘Estamos estudando formas de privatizar o Porto de Santos’, diz ministro Tarcísio Gomes

À frente do ministério da Infraestrutura, Tarcísio participou do programa Pânico nesta quarta-feira, 14, e comentou sobre o desafio de comandar uma das principais pastas do governo Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 14/10/2020 14h29
Reprodução/ YoutubeMinistro da Infraestrutura concedeu entrevista ao programa Pânico nesta quarta-feira, 14

O ministro da Infraestrutura do governo de Jair Bolsonaro, Tarcísio Gomes de Freitas, participou do programa Pânico nesta quarta-feira, 14, e comentou sobre as obras feitas por seu ministério e os projetos que a pasta tem para o próximo ano. “Fizemos 32 leilões de concessão de ferrovias, rodovias, entre outros. Nós continuamos a estruturação, não paramos nada na pandemia e tem mais pedidos de leilões no Congresso. Faremos 41 leilões de aeroportos até o fim do mandato do presidente, incluindo Congonhas e Santos Dumont. Em novembro, abrimos a consulta pública para primeira privatização de porto da nossa história, que será a Companhia de Docas do Espírito Santo. Pegamos um porto menor para aprender e estamos estudando privatizar [o porto de] Santos, que será a maior privatização do setor portuário. Vamos ter mais de 15 mil quilômetros de concessão de rodovias no ano que vem. A provisão da infraestrutura terá a pegada de recursos privados”, diz.

De acordo com o ministro, a malha ferroviária está entre os objetivos principais do governo, para melhorar o agronegócio brasileiro. “Um dos nossos objetivos é reequilibrar a matriz de transportes, tem só 15% de ferrovia apenas, com predominância do transporte rodoviário. Estamos fazendo muitos investimentos privados e devemos bater a casa dos R$ 50 e R$ 60 bilhões, então daremos um pulso na malha. Estamos dando opções ferroviárias para o setor produtivo. Esse aumento de oferta vai ter uma operação imediata no frete, começando com 25% e lá na frente terá uma redução mais expressiva”, disse. Questionado sobre o impacto das atividades no meio ambiente, o ministro afirmou que o agronegócio do Brasil é extremamente sustentável.

“Temos um código florestal super rigoroso e um agronegócio super competitivo. O agro cresce porque investe em tecnologia. Temos uma capacidade de expansão de produção enorme, tem muita área sem explorar no país e vamos aumentar a produção sem derrubar uma árvore. Então é um agronegócio que hoje é extremamente sustentável pela forma como se aparelhou e absorveu tecnologia. Nos cabe proporcionar logística e trazer competitividade para esses caras do campo. Temos o agro mais sofisticado do planeta”, afirmou. Segundo ele, o presidente Jair Bolsonaro tem muita influência nesses planejamentos. “O presidente tem uma coisa interessante que é liderança e isso nasceu com ele, é dom. Ele tem uma maneira simples de ser, é muito simples e verdadeiro e isso conquista todo mundo. Todos que trabalham com ele tem admiração e passam a querer cumprir a linha que ele determina. Ele quer transformar o Brasil e fazer o melhor para o país. E ele é corajoso a beça, nunca vi alguém com tanta coragem como ele. Está deixando um legado por dar pastas técnicas aos técnicos”, elogiou.

Veja abaixo alguns trechos da entrevista do ministro Tarcísio Gomes ao Pânico: