Marcos do Val fala sobre discussão com Renan Calheiros: ‘Ele quis me agredir’

Em entrevista ao Pânico, o senador afirmou que se desentendeu com o relator da CPI da Covid na posse do Senado, em 2019: ‘Não era para estar aqui’

  • Por Jovem Pan
  • 19/08/2021 17h10
Reprodução/PânicoMarcos do Val, senador do Espírito Santo pelo Podemos, foi o convidado desta quinta-feira, 19, do programa Pânico

Nesta quinta-feira, 19, o programa Pânico recebeu o senador Marcos do Val (PodemosES). Em entrevista, ele, que compõe o quadro governista da CPI da Covid-19, afirmou que, antes mesmo das investigações da gestão da pandemia instauradas no Senado, já possuía desafetos por Renan Calheiros, relator da comissão. “Eu entrei em 2018 e Renan Calheiros foi reeleito. Esse cara não era pra entrar, não era pra estar aqui. No dia da posse eu falei: ‘Renan Calheiros eu não acho que você seria um bom presidente, acho que você é uma vergonha.’ Ele saiu da tribuna e veio pra cima de mim querendo me agredir. (…) A CPI é um circo desde o início. Nos bastidores, você não tem ideia do que se fala, é movimento político para 2022. Tive até um confronto físico com aquele deputado Luis Miranda. Ele saiu de onde ele estava e veio até mim questionar se eu ia passar o vídeo que conta a história dele nos Estados Unidos. Dei uma peitada nele e falei ‘volta pro seu lugar’”.

Marcos do Val disse ser um deputado independente do presidente Jair Bolsonaro e também atribuiu críticas às acusações de fraude no sistema eleitoral. Segundo ele, porém, o processo das urnas ainda pode ser questionado. “Ele foi reeleito várias vezes nesse processo, se fosse fraudado eu não seria senador. Agora, eu acho que vale sempre questionar a melhoria e o avanço, mas dizer que é fraude não acredito. Mas também não é radical: ‘Tem que ser impresso porque é fraudulento.’ (…) Faço meu trabalho com independência, não sou bolsonarista. Não acredito que a primeira e a segunda linha do governo são corruptas, nenhuma reunião tem um cara que te chama de lado.”

O senador, que foi relator do pacote anticrime de Sergio Moro durante a passagem pelo Ministério da Justiça também falou sobre sua relação com o magistrado e disse que o ex-ministro cometeu um erro ao aceitar o cargo no governo Bolsonaro. “Eu relatei o pacote anticrime, ficamos próximos, mas quando ele saiu, ele cometeu o erro de ter saído como magistrado. Tinha que ter ficado na magistratura no canto dele, não se misturar. quando ele foi pra um lado, é natural que todo mundo pense: ‘O outro grupo tá na cadeia e ele vai trabalhar para a oposição?’”

Confira na íntegra a entrevista com Marcos do Val: