Ministro do Turismo sobre Réveillon: ‘Não dá para liberar aglomeração, mas festas de até 300 pessoas, sim’

Em entrevista ao Pânico, Gilson Machado afirmou que os brasileiros ‘precisam levar a vida’ porque ‘não dá para morrer por antecipação’; o novo ministro tomou posse nesta quinta-feira

  • Por Jovem Pan
  • 17/12/2020 15h11 - Atualizado em 17/12/2020 15h24
GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDOGilson Machado tomou posse como ministro do Turismo nesta quinta-feira

Em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan, nesta quinta-feira, 17, o novo ministro do Turismo defendeu que as comemorações de final de ano devem acontecer no Brasil, desde que todos os protocolos de segurança sejam seguidos. “As festas de Réveillon têm que acontecer. Não dá para liberar grandes aglomerações, mas festas com público entre 150 e 300 pessoas, sim. A gente tem que viver a vida, não dá para morrer por antecipação. O governo teve mais de 250 infectados pela Covid-19 e ninguém morreu. Eu tive coronavírus e, graças a Deus, não tenho o que reclamar da Covid comigo. Somos solidários às perdas, mas precisamos levar a vida”, disse o ministro Gilson Machado. Em meio à alta dos casos, o Brasil superou a marca de 7 milhões de contaminados pelo coronavírus nas últimas 24 horas.

Machado tomou posse no Ministério do Turismo nesta quinta-feira, após o desentendimento que provocou a exoneração de Álvaro Antônio da pasta. Sua nomeação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) há uma semana, no dia 10. Perguntado pela bancada do Pânico sobre sua qualificação para assumir a pasta, o novo ministro afirmou que “não é credenciado, mas é grato”. “Tenho gratidão por ter a chance de servir o meu país. Sou músico, sanfoneiro e tenho uma empresa de eventos que levou minha banda, a Brucelose, a fazer shows por todo o Brasil desde 1996. Além disso, tenho uma pousada em Alagoas, onde sou operador turístico. Durante o governo, fui secretário nacional de Ecoturismo do Ministério do Meio Ambiente e diretor-presidente Embratur”. Elogiado diversas vezes pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o ministro Gilson Machado assumiu a presidência da Agência de Promoção Internacional do Turismo (Embratur) em maio de 2019.

No programa, Machado também fez um apelo aos prefeitos e governadores do Brasil para que não decretem novos lockdowns. “Peço aos governadores e prefeitos, que estão fazendo gestões baseadas no ‘mais Brasil e menos Brasília, que não decretem lockdown porque o trade não aguenta mais. Monitorem a pandemia, façam fiscalização do uso dos equipamentos de proteção, mas não interrompam as atividades. A população já está aprendendo a conviver com a doença, não estamos mais diante de um mero desconhecido”. Pedindo cooperação, ele reforçou que o governo federal tem trabalhado visando a união do país. “Por exemplo, o governo não tirou nenhuma das vacinas em estudo do plano nacional de imunização. Pelo ao contrário, estamos rezando para que alguma vacina seja aprovada logo pela Anvisa. A economia está se recuperando e o turismo interno está bombando. Atualmente, o Brasil é o país com maior potencial de turismo no mundo”, concluiu.

Confira a entrevista com o ministro do Turismo Gilson Machado: