‘Não é fácil, mas existe um propósito’, diz Rogério Flausino sobre 25 anos do Jota Quest

Músico participou do programa Pânico dessa sexta-feira (21)

  • Por Jovem Pan
  • 21/08/2020 14h02 - Atualizado em 21/08/2020 14h07
Jota Quest está na estrada com turnê de 25 anos

Rogério Flausino, vocalista do Jota Quest, participou do programa Pânico nesta sexta-feira, 21, e comentou sobre as comemorações de 25 anos da banda, comemorado em 2018. “Não é fácil, ‘extremamente fácil’, mas também não é impossível. Acima de tudo existe um propósito e é a realização de um sonho de todos nós. Quando o destino nos uniu e vimos as paradas acontecendo, fomos em frente. Tivemos muitos altos e baixos. A gente discute, briga, debate, mas a gente continua evoluindo e crescendo. A estrada é cansativa, ficamos muito entre nós cinco do que com as famílias. Vamos ficando velho e as manias do outros começam a incomodar”, disse em tom descontraído o músico que se prepara para a terceira live durante a quarentena.

Nesse sábado, 22, a banda faz um show acústico no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de Belo Horizonte que será transmitido ao vivo no canal oficial do grupo no Youtube às 20h (horário de Brasília). Sobre as dificuldades da quarentena, Flausino comentou que o pior foi a composição de músicas novas. “Confesso que não consegui escrever nessa pandemia, agora está dando uma aliviada. Eu realmente não consegui escrever, todo mundo ficou muito ansioso, muito travado. Mas apesar de tudo, está bacana para o Jota Quest, lançamos canções, fizemos lives e estamos compondo discos”, comemorou.

Uma das músicas lançadas durante a quarentena foi ‘O Voz do Coração’, com participação do rapper Rael, e o cantor explicou todo o processo de criação da música.”Foi um negócio muito legal. Em 15 de março caiu nossa primeira turnê na Europa e começamos a olhar para as músicas que tínhamos e achamos A Voz do Coração, era meio ‘demo’, fomos arrumando a distância e pensamos em uma parceria e lembramos do Rael, todos somos fãs dele. Mandamos para ele, ele gravou no estúdio, cada um de nós se filmou em casa e Paulinho [o baterista] editou o clipe. Era uma música alegre para o momento e deu tudo certo, ficamos muito felizes”, explicou.

Sobre as referências do grupo, Flausino definiu como uma ‘grande mistura’ entre black music, pop soul funk e demais ritmos. Fã de Tim Maia e Cazuza, o vocalista revelou quem tem ouvido bastante no isolamento. “Eu ouvi muito Silva, ele é muito bom faz uma música pop com MPB. O disco ‘Júpiter’ foi o disco que eu mais ouvi na pandemia”, finalizou.