‘Não era só a esquerda que estava nas ruas’, diz Marcelo Tas sobre protestos contra o governo

Em entrevista ao Pânico, o apresentador analisou que ‘liberais, conservadores e grupos insatisfeitos’ com a gestão de Bolsonaro também participaram dos atos do último sábado, 19

  • Por Jovem Pan
  • 21/06/2021 15h43 - Atualizado em 21/06/2021 16h05
Imagem: Reprodução/Instagram @marcelotasAs decisões sanitárias no enfrentamento da pandemia e a lentidão para avançar com privatizações de estatais estão entre as principais críticas do apresentador ao governo federal

Em entrevista ao programa Pânico, da Jovem Pan, nesta segunda-feira, 21, o apresentador Marcelo Tas comentou as manifestações contrárias ao governo que tomaram as ruas do país neste sábado, 19. Crítico à gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), ele afirmou que não participou dos atos presencialmente, mas colaborou de maneira virtual. “Participei virtualmente dos protestos que aconteceram no final de semana. Foi lindo, achei muito bacana. Percebi que os atos foram genuínos, quem foi às ruas foi cuidadoso, usou máscara e se protegeu. Também notei que não era só a esquerda que estava nas ruas, mas muitos liberais, conservadores e outros grupos insatisfeitos com o governo”, ponderou. O impeachment de Bolsonaro e a volta do auxílio emergencial no valor de R$ 600 estavam entre as demandas defendidas pelos manifestantes que protestaram neste sábado.

Questionado se os críticos ao governo estariam se contradizendo ao defender o isolamento social para combater a pandemia de Covid-19 e promover aglomerações em manifestações, Tas respondeu de forma negativa. “Existem diferenças nos protestos dos apoiadores e dos críticos ao governo. Uma coisa é quem está com a política de Estado nas mãos desestimular o uso de máscaras ou a vacinação. Outra coisa são os atos que reivindicam e pedem respostas por meio milhão de brasileiros mortos. O Bolsonaro é o único governante do G20 que não se vacinou e isso diz muito sobre a diferença entre as manifestações de sábado e os passeios ridículos de motocicletas”. As decisões sanitárias no enfrentamento da pandemia e a lentidão para avançar com privatizações de estatais estão entre as principais críticas do apresentador ao governo federal. “Politicamente, às vezes me posiciono de um lado, às vezes do outro — menos neste governo”, concluiu.

Confira na íntegra a entrevista com Marcelo Tas: