‘Não vou apoiar quem traiu o presidente’, diz Zambelli sobre candidatura de Joice Hasselmann

Para a deputada federal, a colega de Câmara ‘não bate bem da cabeça’ por pedir apoio ao presidente Jair Bolsonaro

  • Por Jovem Pan
  • 31/08/2020 15h18 - Atualizado em 31/08/2020 15h39
Jovem PanCarla Zambelli participou do programa Pânico dessa segunda-feira, 31

Durante sua participação no programa Pânico desta segunda-feira, 31, a deputada federal Carla Zambelli afirmou que não apoiará a candidatura da também deputada federal Joice Hasselmann (PSL) para a prefeitura de São Paulo. “Não vou apoiar alguém que traiu o presidente e traiu todo mundo. Ela está super arrependida agora que sabe que perdeu muitos votos. Ela foi eleita nas costas do Bolsonaro e ficou criticando. Agora ela quer um apoio. Bate bem da cabeça uma pessoa dessas?”, comentou. Segundo Zambelli, o grupo do presidente ainda não tem uma posição quanto ao candidato na cidade.

“Estamos vendo qual a opção para São Paulo. O Arthur [‘Mamãe Falei’] falou mal do presidente. Não digo que ele foi ingrato, mas eu já falei para o Arthur que ele deveria continuar como deputado. Ganhar uma prefeitura, que é a maior da América Latina, não é brincadeira”, completou. Questionada sobre uma possível candidatura, Zambelli disse não estar preparada para um cargo desse tamanho. “Eu não sou candidata porque acho que um deputado federal precisa terminar seu mandato. Não tenho maturidade para ser prefeita, acho muito cedo. Tem uma série de pessoas que tem mais condições”, disse. De acordo com ela, Luiz Philippe de Orléans e Bragança, membro da família imperial brasileira, é o melhor nome.

Fidelidade a Bolsonaro e decepções com Sergio Moro

Zambelli diz ser ‘leal e fiel’ a quem a ajudou a chegar onde está – se referindo ao presidente Jair Bolsonaro, mas mesmo estando ao lado dele nas decisões, a deputada reconheceu que algumas já a incomodaram. “Todo mundo erra. Eu acho que se ele erra na comunicação, não estou aqui para avaliar se ele errou ou não, tem muita gente para criticar, mas eu prefiro escutar uma verdade dura do que uma mentira fofa.” Segundo ela, críticas são bem vindas quando construtivas e as pessoas que criticam eventualmente o governo, ela respeita. “Sou uma das pessoas que já apanhei no passado porque achei que não deveríamos bater na Janaína Paschoal. O pessoal queria que eu xingasse ela. Ela criticou o presidente no começo da pandemia e quando participou de uma reunião fechada, passou a defendê-lo nas redes de novo. É uma pessoa que critica eventualmente e eu respeito”, disse.

Questionada sobre Sergio Moro, que foi seu padrinho de casamento, Zambelli revelou ter mágoa do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública. “Fiquei triste e decepcionada [quando ele saiu do governo]. Diferente do presidente, a gente nunca achou que ele era um herói, sabemos que ele erra. Já o Moro, a gente via como super-herói, que não sabia errar, e de repente aquilo. Quanto mais alta a expectativa, maior o tombo”, disse. Segundo a deputada, o grupo do presidente teve culpa em ‘elevar a moral’ do jurista na época das eleições.