‘A galera quer esterilizar o humor’, reflete Oscar Filho sobre cancelamento

Em entrevista ao Pânico, humorista afirmou acreditar que trabalho e opinião não se misturam: ‘Trabalho em cima do palco, não quero chamar atenção nos bastidores’

  • Por Jovem Pan
  • 01/10/2021 15h27
Reprodução/Pânico Oscar Filho fala no microfone e gesticula no estúdio do programa Pânico O humorista e ator Oscar Filho foi o convidado do programa Pânico desta sexta-feira, 1º

Nesta sexta-feira, 1º, o programa Pânico recebeu o humorista e ator Oscar Filho. Em entrevista, ele, que passou pelo “Programa da Maisa, no SBT, afirmou ter entrado no projeto para entender o humor do público mais jovem. “A galera está com medo de falar as coisas, a gente colocou stand-up raiz por isso. Vocês estão rindo de coisas que a gente ria lá atrás. A galera quer esterilizar o humor hoje em dia. Vejo isso em muita gente que está começando, não é sem graça, mas acho diferente, não é a minha. Lá a gente faz humor sem censura. Existem mundos paralelos, piadas que você tira do palco e joga na internet, seu mundo acabou. Eu fiz o ‘Programa da Maisa’ para entender essa galera, tenho receio de ficar velho muito na minha, fui para entender essa galera que é muito diferente, é outro universo, uma molecada muito esterilizada também. Quem está na luta tem esse receio para não perder a carreira, quem está começando quer começar, essa trava é ruim para caramba, para todo mundo. O problema é querer enfiar goela abaixo, por isso não levo a sério.“

Oscar Filho lançou, no início de setembro, um stand-up baseado em sua autobiografia, “Alto-Biografia não Autorizada”, em cartaz no Teatro Shopping Morumbi. O humorista disse não gostar de envolver suas opiniões pessoais com sua carreira profissional na atuação. “Eu gosto de fazer meu trabalho, o trabalho tem a ver com trabalho. Eu trabalho em cima do palco, não quero chamar atenção nos bastidores. Eu sou ator, a personalidade tem que ficar atrás do trabalho do cara. Eu sou muito mais interessante em cima do palco do que o que eu digo. As referências eram Charles Chaplin e Jim Carrey, eu achava os caras universais. Qualquer lugar no mundo entendia. Eu queria fazer algo assim.”

Confira na íntegra a entrevista com Oscar Filho: