Monica Iozzi revela ter sofrido assédio na época de repórter em Brasília

  • Por Jovem Pan
  • 13/07/2017 08h45
A atriz global esteve no "Conversa Com Bial"

Monica Iozzi abriu o jogo sobre o seu tempo como repórter do “CQC” em Brasília, no “Conversa com Bial”, na última quarta-feira (12). A atriz revelou que já recebeu cantadas nos corredores do Congresso, chegando até a configurar assédio sexual.

Iozzi acrescentou que alguns políticos já tentaram passar a mão nela e utilizam de conversas pesadas para lidar com as repórteres mais novas.

“Saiba lidar com cantadas pesadas de lá. Muitas vezes eles usam o assédio sexual como assédio moral, entende? Quem é você, gostosinha? E ficam tentando colocar a mão em você. Você tem que se colocar muito”, contou.

Longe das redes sociais após se sentir perseguida por apoiadores da direita no Brasil, Monica não possui boas lembranças da época em que colocava os políticos contra a parede. Segundo ela, o Congresso tem um odor nada agradável.

“Horrível o que vou falar, mas Brasília fede. Os corredores do Congresso são de carpete, não tem ar condicionado, é aquela temperatura, aqueles homens com aqueles ternos, vai ficando um negócio fedido, sei lá. Primeira dica é respire pela boca porque lá é terrível”, informou.

Iozzi ainda deu uma dica para os repórteres mais jovens que estão iniciando sua carreira com o noticiário da política brasileira. Ela indicou que todos estudem muito para identificar quem é uma pessoa de bem no Congresso Federal.

“Se você for repórter lá, estude muito. A gente tem a mania de jogar os políticos no mesmo saco, a grande maioria é corrupto, mas tem muita gente boa que se esforça lá dentro”, concluiu.