‘Vi coisas que traumatizaram’, afirma Thales Bretas, viúvo de Paulo Gustavo

Médico falou como foram os últimos dois meses sem o ator, que morreu por complicações da Covid-19

  • Por Jovem Pan
  • 05/07/2021 12h52 - Atualizado em 05/07/2021 19h28
Reprodução/Instagram/paulogustavo31/16.03.2021Thales Bretas disse que os filhos com Paulo Gustavo têm o ajudado nesse período

Dois meses após a morte do ator Paulo Gustavo, o médico Thales Bretas falou sobre o vazio que o artista deixou em sua vida. Em participação no “Encontro” desta segunda-feira, 5, ele comentou que ainda se emociona ao falar do marido e que os filhos, Gael e Romeu, têm o ajudado a seguir em frente. “As crianças me estimulam muito, é a continuação do nosso amor. Minha maior função é mostrar a eles o quanto o pai amou e ama os dois. Quero mostrar a eles os trabalhos do Paulo, exaltar a capacidade de emocionar, de alegrar as pessoas, e amá-los por dois ao máximo”, afirmou Thales. Paulo Gustavo morreu em 4 de maio deste ano, aos 42 anos, após ter complicações relacionadas à Covid-19. O intérprete de Dona Hermínia ficou cerca de 50 dias internado e, nesse período, passou por diversos procedimentos e cirurgias e chegou a usar um pulmão artificial.

“Foram momentos bem críticos no hospital. Apesar de médico, vi coisas que traumatizaram um pouco. Mas quando falo dele é sempre com muito amor e carinho. Sempre vi o Paulo como um gigante, o maior do mundo. Se todos tivessem o gostinho da vida íntima que tive com ele, veriam o quão gênio ele era. E ele sabia disso, tinha certeza que iria alcançar o mundo, que ganharia o Oscar”, contou o médico. Paulo Gustavo estava seguindo todos os cuidados recomendados e, mesmo assim, foi infectado pela Covid-19. Thales aproveitou o espaço no programa da Globo para alertar sobre o perigo da doença. “Nós sempre nos cuidamos muito, mas a doença é uma loteria, imprevisível e, infelizmente com ele, teve um desfecho terrível. Acompanhando-o no hospital, vi o quanto a doença é grave e acomete qualquer um, de qualquer idade, em qualquer condição de saúde. Os jovens precisam ter consciência, ter cuidados com eles e com os outros”, finalizou.