Em 1 ano de Juventus, Cristiano Ronaldo não provou ter tomado a decisão certa

  • Por Pedro Sciola
  • 10/07/2019 11h17 - Atualizado em 10/07/2019 11h24
Paolo Magni/EFECristiano Ronaldo não brilhou

Cristiano Ronaldo surpreendeu o mundo ao fechar com a Juventus há exatamente um ano. O português deixou para trás as suas temporadas de glória no Real Madrid para viajar à Itália em rumo de um novo desafio. No entanto, o craque ainda não provou ter tomado a decisão certa e passou longe de realizar os seus objetivos individuais e coletivos com a camisa da “Velha Senhora.”

As principais metas traçadas por Cristiano Ronaldo eram muito claras: levar a Juve ao título da Champions League, manter os números impressionantes e voltar a conquistar a Bola de Ouro, se isolando como o único a vencer seis vezes o prêmio.

Contudo, as ambições “foram para o ralo” após uma temporada oscilante e pouco animadora. Cristiano demonstrou dificuldade em se adaptar e teve um desempenho abaixo do esperado. Renomado por seus números fantásticos e alta média de gols, o “Robozão” passou por um início difícil, marcando apenas três vezes em nove jogos e amargando uma expulsão na fase de grupos da Liga dos Campeões, diante do modesto Young Boys, em Turim.

O camisa 7 até evoluiu e tornou-se o principal artilheiro do time na sequência da temporada, tendo como ápice os mata-matas da Champions, quando marcou 5 gols nos confrontos diante do Atlético de Madri e do Ajax. Ainda assim, Cristiano viu o seu time ser eliminado nas quartas de final do principal torneio europeu para os holandeses e deu “adeus” ao cobiçado troféu.

Além disso, a marca do português na temporada 2018/19 foi a mais discreta da carreira nos últimos dez anos. Em 43 partidas, o gajo fez 28 gols, contabilizando uma média de 0,65 por jogo. Para piorar, ele terminou o Campeonato Italiano na quarta posição da tabela de artilharia, atrás de  Piatek (Milan/Genoa), Zapata (Atalanta) e Quagliarella (Sampdoria).

É bem verdade que os títulos da Copa Itália e do “Scudetto” vieram, mas as conquistas em território nacional tornaram-se tão “comuns” para a Juventus, que não é possível apontar CR7 como fator decisivo. Afinal, o time de Turim levou o seu oitavo troféu do Italiano de forma consecutiva.

No aspecto físico, o centroavante também demonstrou desgaste. Entre março e abril de 2019, o atleta de 34 anos sofreu com lesões e incômodos na coxa, perdendo cinco confrontos seguidos no Campeonato Italiano.

Assim, a missão de ganhar o prêmio de melhor jogador da Fifa em setembro parece estar distante. Em seu duelo particular com Lionel Messi, o argentino foi muito superior e tem grandes chances de ser eleito o futebolista do ano. Além do camisa 10 do Barcelona, Van Dijk, do Liverpool, é outro cotado a ganhar a honraria, ficando à frente de Ronaldo na disputa.

Fato é que Cristiano Ronaldo assinou com a Juventus por quatro anos. Será que ele ainda conseguirá brilhar na Itália?