Maduro lamenta a morte de Maradona: ‘Um irmão e amigo incondicional da Venezuela’

O presidente venezuelano também revelou uma ajuda do argentino no começo de 2020

  • Por Jovem Pan
  • 26/11/2020 11h34 - Atualizado em 26/11/2020 15h23
Reprodução/Twitter/MaduroNicolás Maduro era amigo pessoal de Diego Armando Maradona

Nicolás Maduro, presidente da Venezuela, utilizou suas redes sociais para lamentar a notícia a respeito de Diego Armando Maradona, que morreu na última quarta-feira, 25, em decorrência de uma parada cardiorrespiratória. No Twitter, o mandatário descreveu o ex-jogador como um “irmão” e “amigo incondicional da Venezuela”. Vale lembrar que no começo deste ano, em janeiro, o maior ídolo do futebol argentino viajou para se encontrar com Maduro, com quem tinha uma forte ligação.

“Muita tristeza, a lenda do futebol nos deixou. Um irmão e amigo incondicional da Venezuela. Querido e irreverente, Pelusa (apelido de infância), você sempre estará em meu coração e meus pensamentos. Não tenho palavras neste momento para expressar o que eu sinto. Até sempre, Pibe da América”, escreveu o governante. “Cultivamos uma verdadeira amizade. A última vez que falei com ele foi no seu aniversário”, falou Maduro mais tarde, em discurso na emissora estatal “VTV”.

O líder da Venezuela ainda recordou o seu último encontro com Maradona, em janeiro, em uma visita do craque à Caracas. De acordo com Maduro, o campeão do mundo com a seleção argentina em 1986 disse que pretendia ajudá-lo a resolver problemas de importação de alimentos, que o governo alega serem fruto de sanções estrangeiras. “Ele nos ajudou com algumas secretas”, disse o presidente venezuelano. Maradona, de fato, viajou à Venezuela em diversas ocasiões, participando de manifestações e sempre se declarando a favor da chamada revolução bolivariana. Nesta quinta-feira, 26, o astro está sendo velado na Casa Rosada, sede do governo argentino, em cerimônia pública que deve acontecer até às 16 horas de hoje e contar com mais de um milhão de fãs.