Messi rebate declarações de Laporta e comenta sobre possível retorno ao Barcelona; confira

‘Ninguém me pediu para jogar de graça’, disse o craque argentino, rebatendo o atual mandatário do Barça

  • Por Jovem Pan
  • 01/11/2021 12h03 - Atualizado em 01/11/2021 12h03
Reprodução / FC BarcelonaMessi foi às lágrimas em sua despedida no Barcelona

Lionel Messi concedeu entrevista nesta segunda-feira, 1º, e rebateu as declarações do presidente do Barcelona, Joan Laporta, sobre a possibilidade de que ele atuasse sem receber salários. Em outubro deste ano, o dirigente afirmou que chegou a pensar que o craque apresentaria proposta para atuar sem remuneração pelo Barça, para que o clube não excedesse o limite salarial imposto pela liga que organiza o Campeonato Espanhol. “Ninguém me pediu para jogar de graça. As palavras me doeram, porque não acho que havia necessidade de dizer isso. É como jogar a bola para o alto e não assumir as consequências, nem ter responsabilidade com as coisas”, afirmou o astro ao jornal espanhol “Sport”.

De acordo com Messi, ele teria aceitado reduzir o salário em 50%, algo que foi insuficiente para a diretoria do Barça mantê-lo no elenco. “Isso me faz pensar que as pessoas geram um tipo de dúvidas que acredito não merecer”, disse o argentino. “Ele me pediu para que eu reduzisse o salário em 50%, o que fiz sem nenhum problema. Estávamos à disposição para ajudar mais o clube. A vontade e desejo, meu e da minha família, era de ficarmos no Barcelona”, completou Messi, que é o maior ídolo da história da agremiação blaugrana.

Atualmente no Paris Saint-Germain, Messi foi questionado sobre um possível retorno ao Camp Nou. Sobre o tema, o argentino deu a entender que a volta seria para exercer uma função extracampo. “Sempre disse que adoraria poder ajudar o clube no que puder ser útil e somar. Adoraria ser secretário-técnico em algum momento”, disse Messi. “Não sei se vai ser no Barcelona ou não, se vai ser de outra forma. Se houver possibilidade, gostaria de voltar a acrescentar o que puder, porque é o clube que amo”, acrescentou o astro, que reconheceu o início claudicante no PSG. “Tenho jogos da seleção todos os meses. Você não termina de se acomodar, e já deve ir embora outra vez. Isso dificulta um pouco as coisas, mas pouco a pouco, vou entrando na dinâmica do clube. Não são muitos meses que estou aqui, não são muitas partidas que joguei”, avaliou o astro.