Pai de Messi chega à Espanha e admite: É difícil que o filho continue no Barcelona

No desembarque, Jorge Messi foi cercado por jornalistas e indicou que a decisão do craque de sair do clube catalão é irreversível

  • Por Jovem Pan
  • 02/09/2020 10h09 - Atualizado em 02/09/2020 14h55
Enric Fontcuberta/EFEJorge Messi desembarca em Barcelona na manhã desta quarta-feira, 02

O pai e empresário do craque argentino Lionel Messi, Jorge, chegou nesta quarta-feira, 02, à Espanha para se reunir com o presidente do Barcelona, Josep Maria Bartomeu, e definir o futuro do filho. No desembarque, cercado por muitos jornalistas, respondeu rapidamente a inúmeras perguntas e indicou que a decisão de sair do clube catalão é irreversível. “Difícil que continue”, disse Jorge Messi, que, logo após a chegada em Barcelona, já se reuniu com advogados pessoais para discutir a situação contratual do filho. Uma reunião com o presidente do Barcelona deve ocorrer ainda hoje. O clube não se pronunciou sobre o assunto.

O Barcelona já reiterou a posição de não negociar a liberação antecipada de Messi, dizendo que o presidente só se sentará para conversar com o jogador se o assunto for a extensão do contrato além da próxima temporada. O craque avisou na semana passada que gostaria de deixar o clubePor meio de um burofax, recurso utilizado na Espanha para o envio de documentos urgentes pelo correio, o camisa 10, que tem vínculo com o Barça até o meio de 2021, comunicou que acionaria uma cláusula contratual que lhe permitiria rescindir o contrato unilateralmente ao fim da atual temporada.

De acordo com o jornal espanhol Marca, o prazo para que essa cláusula fosse exercida expirou no último dia 10 de junho, data em que a temporada se encerraria. No entanto, o entorno do jogador acredita que pode reativá-la agora. Isto porque a pandemia do novo coronavírus provocou a paralisação do futebol na Espanha por cerca de três meses, e as disputas só cessaram em agosto. O Barcelona, por sua vez, já avisou que não pretende liberar o craque antes de 2021 sem o pagamento da multa rescisória de 700 milhões de euros (R$ 4,6 bilhões). Enquanto isso, o nome de Messi tem sido cada vez mais vinculado ao Manchester City, clube que já teria, inclusive, um contrato pronto para oferecer ao jogador.

*Com informações do Estadão Conteúdo