Técnico brasileiro é punido no México por comentários machistas e homofóbicos

Ricardo Ferretti foi suspenso por três rodadas e pagará uma multa por insultos durante coletiva de imprensa

  • Por Jovem Pan
  • 12/11/2021 02h00 - Atualizado em 12/11/2021 02h01
Reprodução Ricardo Ferretti Treinador brasileiro usou palavras ofensivas na coletiva de imprensa

O técnico Ricardo Ferretti, do Juárez, foi suspenso por três partidas e multado nesta quinta-feira, 11, pela Federação Mexicana de Futebol (Femexfut) por fazer comentários sexistas e homofóbicos. O treinador brasileiro proferiu as palavras discriminatórias em entrevista coletiva após a derrota de sua equipe para o Tigres por 3 a 0 no último sábado, pela última rodada da fase regular do Torneio Apertura. “Tem alguma velha? Não, certo? E bichas? Quem vai ser a primeira bicha a fazer perguntas? Só machos então? Que bom. Os outros devem estar limpando a casa então”, declarou ‘Tuca’ Ferretti antes da coletiva. Foi a volta do técnico ao Estádio Olímpico Universitário, onde foi vencedor no comando dos ‘Felinos’. À frente da equipe local, chegou ao vice-campeonato do Mundial de Clubes de 2020. Em comunicado à imprensa, a Femexfut informou que, após investigação, ficou definido que Ferretti violou o artigo 1 do Regulamento de Sanções e o artigo 6 do Código de Ética.

“O Sr. Ricardo Ferretti está advertido sobre sua conduta futura, pois caso esse tipo de ação seja cometido novamente, a Comissão Disciplinar poderá impor sanções mais severas contra ele”, prometeu o órgão que governa o futebol mexicano. Na quinta-feira, enquanto esperava que o brasileiro fosse sancionado, o Ministério do Interior do México pediu para os jogadores de futebol do país tornarem o esporte um lugar livre de discriminação. “O Ministério do Interior, através do Conselho Nacional para a Prevenção da Discriminação (Conapred), convida todos os envolvidos no mundo do futebol a fazer do esporte um espaço de ação conjunta contra a discriminação, uma vez que seu impacto e alcance representam uma poderosa oportunidade para gerar mudanças”, afirmou a pasta.

A Conapred e a federação assinaram em outubro de 2019 um acordo que visa tornar o futebol inclusivo e erradicar gritos homofóbicos dos torcedores locais. O antigo grito de “puto” (uma maneira pejorativa de se referir a homossexuais) custou à Femexfut punições por parte da Fifa, entre elas multas e partidas da seleção mexicana com portões fechados. A federação internacional ainda ameaçou de deixar a ‘Tri’ fora de uma Copa do Mundo devido à homofobia.

*Com informações da EFE