Jardine diz que espera Pedro na seleção olímpica e fala sobre polêmica com o Flamengo

O treinador também explicou a convocação de Daniel Alves, do São Paulo, veterano que não fez parte do ciclo para os Jogos de Tóquio

  • Por Jovem Pan
  • 29/06/2021 11h36 - Atualizado em 29/06/2021 16h48
EFE/ Antonio Lacerda POOLPedro foi convocado para defender a seleção brasileira nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Treinador da seleção brasileira olímpica, André Jardine afirmou nesta terça-feira, 29, que aguarda o atacante Pedro, do Flamengo, na apresentação do elenco que irá disputar os Jogos Olímpicos de Tóquio. Até o momento, o centroavante não foi liberado pelo clube carioca. “O Pedro é um jogador que vive um grande momento. Aqui na seleção eu me cobro muito para fazer justiça com o que os atletas estão fazendo em seus clubes. Sabemos que muitos trabalham para chegar na seleção. E mesmo com o pedido do Flamengo, entendemos em primeiro lugar que o Pedro merecia estar na lista das Olimpíadas porque trabalhou para isso. Acabou que na última etapa teve duas atuações fantásticas, fazendo gols. E para mim foi o carimbo final que ele ainda não tinha tido”, disse o técnico, que também abordou a polêmica com o Rubro-Negro.

“Se o Flamengo vai liberar ou não, o que eu costumo dizer para o Branco (coordenador das seleções de base da CBF) e os dirigentes, na hora que eu faço a lista, a gente usa muito o bom senso por não ser data Fifa. A gente sabe que vai precisar da compreensão e parceria dos clubes. Não tem uma imposição, não tem briga com clube nenhum. Existe parceria. Se o clube não quiser liberar, temos que entender os motivos e escolher outro. Mas no caso do Flamengo, ao mesmo tempo que a gente cuida muito aqui para não prejudicar nenhum clube e, em muitos momentos, eu cedi de não levar mais jogadores do Flamengo quando a seleção principal já tinha dois ou três jogadores em alguma data Fifa. Então, muitas vezes usamos esse bom senso. Mas ao mesmo tempo que não queremos prejudicar, a gente não pode se beneficiar. Se tem um jogador que merece estar na lista, como é que não vou convocá-lo se outros clubes também vão ceder jogadores?”, prosseguiu.

Jardine também explicou a convocação de Daniel Alves, do São Paulo, veterano que não fez parte do ciclo para os Jogos Olímpicos de Tóquio. “O Daniel atendeu os pré-requisitos para os jogadores acima da idade. Procurávamos um líder, um jogador com histórico de seleção vencedor. E aí não existe um jogador mais vencedor que o Dani. E uma característica que eu gosto bastante é que ele é um jogador capaz de cumprir qualquer função tática que o treinador pedir a ele. Seja vindo por dentro, como lateral-armador, como o Tite gosta de dizer. Seja como lateral-ala-ponta, como ele vem jogando com o (Hernán) Crespo, no São Paulo. O fato é que ele é um jogador de excelência e vai dar um toque a mais para nossa seleção. Onde vou usar ele vai de cada jogo, usando ele em funções diferentes, até para surpreender o adversário”, declarou.