Lateral do Olimpia tranquiliza torcedores após choque com Arrascaeta e ironiza Flamengo

No áudio do VAR, divulgado pela Conmebol após a partida, eles confirmam que a mão do uruguaio no rosto de Salazar foi acidental e que, por isso, não era jogada para cartão vermelho

  • Por Jovem Pan
  • 12/08/2021 15h11 - Atualizado em 12/08/2021 17h27
Montagem sobre fotos/Reprodução/Instragram/@tucu.salazar/EFE/Cesar Olmedo POOLSalazar sofreu um traumatismo craniano na partida entre Olimpia x Flamengo pela Libertadores

O lateral Victor Salazar tratou de tranquilizar os torcedores do Olimpia após sofrer um traumatismo craniano na derrota para o Flamengo, na última quarta-feira, 11, no Paraguai, pelas quartas de final da Copa Libertadores da América. Através de sua conta no Instagram, ainda do hospital, o jogador escreveu que o “pior já passou”, se referindo ao choque com o meio-campista Giorgian De Arrascaeta. Salazar, porém, aproveitou a publicação para reclamar da arbitragem, que não advertiu o atleta do Rubro-Negro carioca no lance. “Obrigado aos médicos, meus companheiros e todos que se preocuparam com a minha saúde. Me contaram que isso não terminou em cartão vermelho. Valeu!”

Apesar das cenas fortes, a arbitragem não entendeu que Arrascaeta deveria ter sido expulso. No áudio do VAR, divulgado pela Conmebol após a partida, eles confirmam que a mão do uruguaio no rosto de Salazar foi acidental. A decisão causou revolta dos torcedores do Olimpia, cerca de duas mil pessoas, que inflamaram o estádio Manuel Ferreira. Assim, o jogo tomou rumos quentes, mas o Flamengo soube administrar a pressão e saiu com um resultado positivo de Assunção. Após a vitória no Paraguai, o Flamengo desembarcou no Rio de Janeiro nesta quinta-feira. O duelo de volta contra o Olimpia acontece na próxima quarta, no estádio Mané Garrincha, em Brasília. Antes disso, o time foca no confronto com o Sport, neste domingo, pela 16.ª rodada do Campeonato Brasileiro. Como o Maracanã estará fechado para manutenção do gramado, a partida será disputada no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ).