Foi arrogante? Fala de Luxemburgo a lateral do Palmeiras provoca polêmica; entenda

Muitos torcedores passaram a criticar o treinador por querer “demonstrar poder” em vez de incentivar o atleta após a substituição

  • Por Jovem Pan
  • 03/09/2020 11h40 - Atualizado em 03/09/2020 11h45
Montagem sobre fotos/Mauro Horita/Estadão Conteúdo/Cesar Greco/Palmeiras/DivulgaçãoVanderlei Luxemburgo substituiu Matias Viña no jogo entre Palmeiras e Internacional e ressaltou que "o técnico sou eu"

O Palmeiras novamente não jogou bem e ficou no empate com o Internacional, na última quarta-feira, 02, no Allianz Parque. No entanto, um fato ocorrido à beira do gramado tem repercutido muito mais do que qualquer lance da partida válida pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. Aos 25min do segundo tempo, o lateral uruguaio Matias Viña, do time alviverde, foi substituído por Diogo Barbosa, irritou-se e ouviu a seguinte frase do treinador Vanderlei Luxemburgo assim que se sentou no banco de reservas: “o técnico sou eu! Quem manda sou eu!”.

A fala de Luxa provocou controvérsia nas redes sociais. Muitos torcedores passaram a criticá-lo por querer “demonstrar poder” em vez de incentivar o atleta após a substituição. Depois do jogo, o próprio técnico explicou o que aconteceu. Luxemburgo relatou como foi a conversa entre ele e Viña e classificou o episódio como algo normal. “Tem que esclarecer essa coisa, porque ele fala um idioma, eu falo outro. Ele saiu obviamente chateado, mas o treinador sou eu, eu fui falar com ele, que faz parte. Ele disse que estava bem para jogar, mas eu falei que o treinador sou, eu que tomo a decisão. Eu não briguei com o Viña”, afirmou.

“Eu não falei alguma coisa a mais do que isso que eu falei. Eu falei que o treinador sou eu, eu tomo a decisão, e ele ficou chateado. E é normal um jogador sair chateado, não vejo nenhum problema. Mas a decisão cabe a mim, não cabe a ele, porque eu sou o treinador da equipe. Se eles falaram alguma coisa diferente, é só pegar a minha fala, fazer minha leitura labial e ver que eu falei que: “eu sou o treinador e quem manda sou eu”. Em momento algum eu ofendi ele de outra maneira”, acrescentou o treinador.

 

 

Quando Vinã deixou o campo, Palmeiras e Internacional empatavam por 0 a 0. O jogo terminaria com placar de 1 a 1 após dois gols nos minutos finais – Thiago Galhardo abriu o placar para os visitantes de pênalti, e Luiz Adriano, de cabeça, logo na sequência, igualou para o Verdão. Segundo Luxemburgo, a opção por tirar o lateral uruguaio da partida aconteceu por ele estar vindo de lesão e pelo fato de a partida estar muito “pegada”.