Polícia Civil pede prazo maior para concluir investigação do caso Neymar

  • Por Jovem Pan
  • 01/07/2019 20h05
ALOISIO MAURICIO/ESTADÃO CONTEÚDOMinistério Público deve se manifestar se concorda ou não. O juiz responsável, então, vai determinar o período necessário

A Polícia Civil de São Paulo pediu ao Ministério Público, nesta segunda (1), um prazo maior para realizar as investigações do caso envolvendo o atacante Neymar e a modelo Najila Trindade, que acusa o jogador de agressão e estupro.

A partir da solicitação, o MP deve manifestar se concorda ou não. O juiz responsável, então, vai determinar o prazo extra que os investigadores da 6ª Delegacia de Defesa da Mulher terão para concluir o inquérito.

A delegada Juliana Lopes Bussacos, responsável pelo inquérito, protocolou o pedido na Vara da Infância Doméstica, em Santo Amaro. O inquérito será transferido, pois a delegada acredita que havia uma relação entre Neymar e Najila. O inquérito foi aberto no dia 31 de maio e, conforme procedimento, tinha 30 dias para ser concluído.

Uma das razões para o pedido de um prazo adicional é a análise das imagens câmeras de segurança do hotel em Paris onde a modelo e o jogador se encontraram. As imagens já chegaram ao Brasil após solicitação da polícia brasileira, mas as autoridades francesas afirmam que precisam de uma autorização judicial para cedê-las.

As investigações vão continuar normalmente. A partir do prazo definido pelo juiz, o relatório final será encaminhado ao Ministério Público, que pode denunciar (fazer acusação formal contra o jogador), pedir o arquivamento ou requisitar novas diligências. O arquivamento significa, na prática, o fim do caso Najila poderá pedir a reabertura desde que apresente novas provas.

Se o MP oferecer uma denúncia, o juiz passa a analisar o pedido. Aí, começa o processo no qual Neymar apresentaria sua defesa. Mesmo que se torne réu, ele não fica impedido de sair do país e voltar à Europa para o início da nova temporada. Ao final, o juiz proferirá sua decisão.

Estadão Conteúdo