Presidente afastado, Rogério Caboclo é acusado de assédio moral por diretor da CBF

Essa é a segunda denúncia contra o cartola; no início de junho ele foi acusado de assédio moral e sexual por uma funcionária da Confederação

  • Por Jovem Pan
  • 26/06/2021 15h46 - Atualizado em 26/06/2021 16h04
Lucas Figueiredo/CBFRogério Caboclo está afastado desde o dia 6 de junho por outra denúncia de assédio

O presidente afastado da CBF, Rogério Caboclo, continua recebendo acusações contra si na Comissão de Ética da Confederação Brasileira de Futebol. De acordo com o Globoesporte.com, que tornou pública a denúncia de assédio sexual e moral de uma funcionária contra Caboclo, o diretor de Tecnologia da Informação (TI), Fernando França, apresentou uma queixa de assédio moral contra o presidente no último dia 22 de junho. No documento, o diretor afirma que Caboclo praticou “condutas ilícitas e repugnantes” e pediu que um novo processo seja aberto. França ainda afirma que foi “injuriado, difamado e sofreu agressões ameaçadoras, o que, sem dúvida, caracteriza abuso de poder e afronta ao princípios da moralidade”. Desde o dia 6 de junho, Caboclo está afastado pela Comissão de Ética devido às denúncias iniciais.

A acusação detalha um dos episódios de assédio tendo ocorrido dentro do apartamento de Caboclo, no dia 21 de abril, no Rio de Janeiro. “O denunciante sofreu verdadeiro massacre moral”, diz o documento. Caboclo queria respostas sobre a queixa da funcionária. “Insatisfeito pelos esclarecimentos prestados pelo denunciante, o acusado perdeu completamente o controle e passou a declarar que o denunciante se tratava de um incompetente amador e primário”, completou.