Renato Gaúcho destaca força do elenco do Flamengo: ‘É a dor de cabeça que eu gosto’

‘O que me deixa feliz é que todo jogador que entra dá conta do recado’, disse o treinador após a vitória sobre o Grêmio, pela Copa do Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 16/09/2021 13h18 - Atualizado em 16/09/2021 19h12
Reprodução/FLA TVRenato Gaúcho durante entrevista coletiva no Flamengo

O Flamengo venceu o Grêmio por 2 a 0, na quarta-feira, no estádio do Maracanã, em jogo que marcou a volta do público no Rio de Janeiro — cerca de seis mil torcedores viram de perto a classificação às semifinais da Copa do Brasil. O técnico Renato Gaúcho destacou a força do elenco rubro-negro mesmo com muitos desfalques. “Eu acho que, acima de tudo, os jogadores estão de parabéns. Não tenho um time, tenho um grupo. É por isso que sempre digo para treinarem forte. Temos três competições e há espaço para todo mundo. O jogador de futebol não vai se preparar em dois ou três dias, ele tem que estar preparado para o momento que for chamado, e é o que tem acontecido”, disse o treinador, antes de prosseguir. O que me deixa feliz é que todo jogador que entra dá conta do recado. A dor de cabeça que eu tenho é porque, a cada três dias, tenho que escolher apenas 11 para entrar em campo, vendo que está todo mundo bem. É a dor de cabeça que eu gosto”, concluiu.

Renato Gaúcho mandou um time misto para a partida, já que o lateral-esquerdo Filipe Luís e os meias Diego e Arrascaeta estão no departamento médico, enquanto que os atacantes Bruno Henrique e Kenedy seguem em transição. Além disso, poupou o volante Willian Arão e o goleiro Diego Alves em função dos próximos duelos. Dessa forma, aproveitou a vantagem de 4 a 0 conquistada na partida de ida para dar ritmo de jogo aos atletas e ainda contou com retorno do zagueiro Rodrigo Caio. “É difícil de falar porque a gente reavalia esses jogadores diariamente. Eles têm treinado, mas eu converso bastante e o departamento médico também. Eles têm se recuperado bem, mas são lesões perigosas. Hoje é difícil falar quando eles vão voltar. É de acordo com o dia a dia, com o treinamento e com o que eles passam para gente, que vamos definir em qual jogo que eles vão voltar. É lógico que conto com eles o mais rápido possível. No momento que eles estiverem podendo fazer tudo no campo, é óbvio que vão voltar”, concluiu o treinador.