Romário rebate Haddad e volta a defender Bolsonaro: ‘O país estava assolado pela corrupção’

O petista disse que, quando era ministro, lançou um programa de inclusão de crianças com deficiência, lembrando que o ‘Baixinho’ tem uma filha com síndrome de Down

  • Por Jovem Pan
  • 13/10/2021 13h02
Montagem sobre fotos/Waldemir Barreto/Agência Senado/Ananda Migliano/Estadão ConteúdoRomário rebateu Haddad e voltou a falar sobre a preferência por Bolsonaro a Lula

O senador e ex-jogador Romário (PL-RJ) foi criticado por Fernando Haddad (PT) após ter dito que o Brasil está muito melhor com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no poder do que nos governos passados, do Partido dos Trabalhadores. Através do Twitter, o petista disse que, quando era ministro, lançou um programa de inclusão de crianças com deficiência, beneficiando cerca de 400 mil crianças, e lembrou que o “Baixinho” tem uma filha com síndrome de Down. “É duro ver o pai de uma delas apoiar um governo que acha que essas crianças atrapalham. Feliz dia de todas as crianças!”, escreveu o ex-prefeito de São Paulo, na manhã da última terça-feira, 12.

Na tarde desta quarta, entretanto, Romário rebateu Haddad, dizendo que o país “estava assolado pela corrupção” sob o comando dos petistas. “Sou muito grato pelo BPC na Escola, que beneficiou 400 mil crianças. Agradeço como pai de uma adolescente com Síndrome de Down e senador. Mas isso não me impede de dizer que o país estava assolado pela corrupção e que, agora, está melhor em relação a isso”, afirmou o senador, voltando a defender o governo Bolsonaro.

Na semana passada, Romário concedeu entrevista ao quadro “Cara a Tapa”, do youtuber Rica Perrone, e explicou sua visão em relação ao atual governo. “Eu faço parte de um partido que hoje é Bolsonaro. E eu acho que o Bolsonaro é um presidente que fez e tem feito coisas positivas para o nosso país. Erra em alguns momentos, principalmente nesses dois anos com a pandemia deixando de ter algumas ações, falando coisas que não deveria ter falado, tomando decisões erradas, mas eu convivi com ele quatro anos, nos meus primeiros anos de deputado federal, e ele é muito sério, tem coragem, não tem medo de se posicionar… Antes do Bolsonaro nosso país estava uma merda do caralho”, disse. “Eu nunca fui em cima do muro, mas infelizmente falar de política no país hoje está chato. Eu gosto do Bolsonaro, gosto de pessoas com personalidade. A esquerda vai me dar porrada. Acabei de falar que ele errou em algumas posições, algumas colocações e a direita vai me dar porrada. Mas eu vou fazer o que? Eu preciso falar”, completou.