Presidente do São Paulo desiste de Borré: ‘Temos que ser verdadeiros com o torcedor’

Casares afirmou que a diretoria não está fazendo loucuras para adquirir jogadores e citou algumas negociações frustradas por motivos financeiros

  • Por Jovem Pan
  • 22/03/2021 14h40 - Atualizado em 22/03/2021 16h34
Reprodução/TwitterRafael Santos Borré, jogador do River Plate

São Paulo e Palmeiras demonstraram interesse no atacante Rafael Borré, que tem contrato com o River Plate somente até a metade do ano. No entanto, o Alviverde, na semana passada, desistiu oficialmente do jogador, multicampeão pelo time argentino. Nesta segunda-feira, 22, foi a vez do Tricolor paulista descartar fazer um investimento pelo colombiano. Quem garantiu foi o presidente do clube do Morumbi, Julio Casares. “O Borré é um grande talento mundial, o São Paulo sempre olha para as condições de negócio, mas temos que ser verdadeiros com o torcedor. Tirar do orçamento um investimento do tamanho de Borré, o São Paulo não vai fazer. Hoje o São Paulo tem essa dinâmica de transparência nas negociações”, disse o mandatário, em entrevista ao canal “SporTV”.

Casares afirmou que a diretoria não está fazendo loucuras para adquirir jogadores e citou algumas negociações frustradas por motivos financeiros. “O Kanu que é um jovem jogador do Botafogo, um zagueiro promissor, fizemos todos os esforços para ter ele conosco. Entretanto, já temos uma dívida com o Botafogo (pelo atacante Henrique Almeida). A mesma coisa foi com o Gabriel Neves (volante do Nacional): chegamos no nosso limite de responsabilidade orçamentária. Nós não faremos loucuras em nome de contratações. As outras contratações que fizemos são profissionais que atendem nossas demandas”, lembrou.

Até o momento, o Tricolor contratou seis jogadores para a temporada: Bruno Rodrigues, Benítez, Miranda, William, Éder e Orejuela, sendo que apenas no último foi feito um alto investimento. Os dois primeiros foram acertados por empréstimo, enquanto os outros chegaram após se desvincular com os seus antigos clubes. O São Paulo vive um momento delicado financeiramente e possui uma dívida de cerca de R$ 600 milhões.